Olhar Jurídico

Domingo, 14 de agosto de 2022

Notícias | Civil

fraude em matrícula

TJ nega agravo de Colonizadora Sinop e mantém bloqueio com base em investigação da PF

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

TJ nega agravo de Colonizadora Sinop e mantém bloqueio com base em investigação da PF
A Segunda Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso (TJMT) indeferiu recurso da Colonizadora Sinop e manteve bloqueio da matrícula de centenas de bem imóveis localizados naquele município. Decisão foi estabelecida em sessão realizada no último dia 15 de setembro.

Leia também
Juíza defere recurso de condomínio e manda morador retirar jiboia de estimação de seu apartamento

 
De acordo om informações extraídas do processo, a averbação premonitória e a anotação de indisponibilidade são medidas que tem como objetivo investigar a ocorrência de oportunismo na alienação à terceiro, uma vez que se constatou que as escrituras e os registros dos imóveis, embora formalmente perfeitos, estão conspurcados de uma ilegalidade a toda prova quando de sua formação.
 
Decisão inicial Já havia reconhecido fraude, tendo como base uma perícia da Polícia Federal, a qual compõe o  processo na esfera  federal e que já está concluído, e que atesta que a matricula identificada como nº 1.717, da Colonizadora Sinop, é fraudulenta, provando que houve unificação e remembramento com incidência sobre áreas de terceiros e superposição de títulos e áreas diversas.
 
No recurso, a empresa alegou o seguinte: inexistência de requisitos legais quanto a indisponibilidade de bens; averbação às margens das matrículas que reportam se mostra desnecessária, já que não paira segredo de justiça na causa; ausência do menor sinal de que a empresa tencione se livrar dos imóveis; a medida impede a empresa e os demais titulares sucessores do domínio de gerir, empreender e produzir nas respectivas áreas em que exercem a posse longeva.
 
O relator, Sebastião de Moraes, firmou entendimento contrário aos argumentos trazidos pela Colonizadora Sinop. “Mostra-se razoável determinar a averbação e a indisponibilidade pretendida pelos agravados na matrícula do imóvel objeto da discussão, a fim de comunicar a existência de litígio, prevenindo terceiros interessados no imóvel, bem como resguardando o direito da parte até decisão final da lide”.
 
Relator foi seguido de forma unânime.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet