Olhar Jurídico

Quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Notícias / Trabalhista

Empresas são condenadas após trabalhador morrer soterrado; MPT recorre para elevar valor a mais de R$ 1 milhão

Da Redação - Arthur Santos da Silva

01 Set 2020 - 15:11

Foto: Ilustração

Empresas são condenadas após trabalhador morrer soterrado; MPT recorre para elevar valor a mais de R$ 1 milhão
O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) obteve a condenação solidária de duas empresas do ramo agroindustrial, Sipal Indústria e Comércio Ltda. e Ovetril Óleos Vegetais Ltda., ao pagamento de R$ 100 mil de indenização por danos morais coletivos. A condenação baseou-se em provas colhidas durante investigação do MPT que apurou diversas irregularidades laboro-ambientais que culminaram na morte de um trabalhador por soterramento em um armazém de soja em Sorriso.

Leia também 
Contra liminar, associação nacional pede ingresso em ação que busca barrar foro de autoridades em MT


A sentença também confirmou provimento liminar exarado em dezembro de 2018, que determinava que as empresas cumprissem uma série de obrigações de fazer e não fazer para garantir a higidez e a segurança do ambiente de trabalho.
 
Na decisão do dia 17 de julho, o juiz Diego Batista, em atuação pela Vara do Trabalho de Sorriso, destacou que a vasta documentação apresentada pelo MPT demonstrou que houve descumprimento por parte das empresas de normas regulamentadoras que disciplinam o trabalho em espaço confinado, em altura e com máquinas e equipamentos. As condutas irregulares, segundo o magistrado, foram decisivas para a ocorrência do acidente.
 
"As condutas apontadas pelo Ministério Público do Trabalho quanto ao meio ambiente do trabalho são graves a ponto de prejudicar não só os empregados individualmente, vítima em potencial de acidente do trabalho, mas também de onerar toda a sociedade com concessão de benefícios previdenciários, além de causar na população em geral o abalo emocional de ver aqueles que estavam se dedicando ao seu mister suportarem consequências pelas más condições do meio ambiente laboral", frisou na decisão.
 
Em agosto, o MPT interpôs Recurso Ordinário visando reformar parte da sentença, a fim de majorar o valor da reparação por danos morais coletivos para montante não inferior a R$ 1 milhão. Agora, o caso será submetido à análise dos desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MT), em sede recursal.
 
A procuradora do MPT Luiza Prado Lima Santiago Rios Brito explica que o valor fixado pelo Judiciário na sentença é inexpressivo diante do alto grau de reprovabilidade social da conduta, da reincidência das ilicitudes perpetradas pelas rés, da extensão das lesões e da notória capacidade econômica das empresas, que possuem diversos estabelecimentos em todo o país. "A majoração do valor da indenização é medida que se impõe, máxime para o alcance da sua efetiva função preventivo-pedagógica, capaz de dissuadir comportamentos antijurídicos recalcitrantes e coibir, em definitivo, novas lesões de idêntica natureza, em absoluto desrespeito à dignidade e à higidez física e mental do sujeito-trabalhador, ao valor social do trabalho e à função socioambiental da propriedade".
 
Reincidência
 
O trabalhador morreu soterrado nas dependências da Ovetril Óleos Vegetais, em planta então operada pela Sipal Indústria e Comércio. Este não foi o primeiro acidente por soterramento nas dependências das empresas. Um outro já havia ocorrido em 2013, na unidade da Ovetril no município de Tapurah, e quase levou um trabalhador a óbito. O caso, inclusive, foi analisado pela Justiça do Trabalho, que impôs, à época, o cumprimento de uma série de obrigações para garantir a saúde e a segurança dos funcionários.
 
No episódio com vítima fatal ocorrido em Sorriso, a Superintendência Regional de Trabalho (SRT) realizou uma inspeção no local e identificou a existência de várias irregularidades. O órgão, inclusive, lavrou autos de infração.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet