Olhar Jurídico

Domingo, 09 de agosto de 2020

Notícias / Criminal

Juiz determina que empresário seja indiciado e interrogado pela prática de homicídio culposo

Da Redação - Arthur Santos da Silva

15 Jul 2020 - 15:14

Foto: TJMT

Juiz João Bosco Soares da Silva

Juiz João Bosco Soares da Silva

O juiz João Bosco Soares da Silva, da Décima Vara Criminal de Cuiabá, determinou que o empresário Marcelo Martins Cestari seja indiciado e interrogado levando em conta as penas previstas em casos de homicídio culposo.

Leia também 
Promotor solicita prorrogação de quarentena em Cuiabá e VG por mais sete dias

 
“Requisito de Vossa Excelência que informe ao Juízo a descrição pormenorizada de todas as armas apreendidas, sua nacionalidade e se foram juntados documentos relativos a sua importação e registro nos autos do Inquérito Policial, bem como indiciar, pregressar e interrogar o Sr. Marcelo Martins Cestari como incurso, em tese, nas penas do delito previsto no art. 121, § 3º do CP”, solicitou João Bosco Soares ao delegado responsável.
 
homicídio culposo ocorre quando uma pessoa tira a vida de outra sem a intenção, por negligência, imprudência ou imperícia. O pedido de classificação havia sido requerido pelo Ministério Público, em representação do promotor de Justiça Marcos Regenold Fernandes.
 
Marcelo é atirador esportivo e pai da menor acusada de ter efetuado o disparo classificado como acidental que matou Isabele Guimarães Ramos, 14 anos, durante a noite de domingo (12), no Condomínio Alphaville 1, em Cuiabá. Ele foi preso após a polícia encontrar em sua casa sete armas, duas delas sem registro. Pagou fiança e acabou liberado.
 
Defesa do empresário, o  advogado Rodrigo Pouso já explicou que a polícia ainda está investigando o ocorrido e os autores devem ser apontados e responsabilizados. "Não é como estão pensando, a menina não vai ficar ilesa [...] não foi descartado [homicídio culposo], mas ainda está sendo investigado, quem poderá imputar o crime a ele é o delegado, então não é momento de apontar o que é e o que não é, a investigação deve demorar no mínimo uns 60 dias", disse.

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • LOIZA
    20 Jul 2020 às 15:07

    EU NAO SEI POR QUE NAO CONFISCOU O CELULAR DO PAI ADOLECENTE PARA VE A CONVERSA DELE COM O ADVOGADO COM CERTEZA ELE LIGOU ANRTES PARA O SEU ADVOGADO ANTES DE AVISAR A FAMILIA DA MENOR.

  • Filipe
    16 Jul 2020 às 13:29

    Não sou criminalista, mas pelo que me lembro a responsabilidade criminal neste caso é estritamente pessoal. Entendo a gravidade, mas o único delito que caberia seria o aplicado ao desarmamento omissão na guarda e cautela de arma de fogo.

  • celina
    16 Jul 2020 às 08:29

    acho que ele tem que ser indiciado mesmo, porque a casa desse homem é um antro de menores entrando e saindo com arma de fogo.

  • Sara
    15 Jul 2020 às 20:34

    Nao é hora de apontar imprudência de um atirador esportivo?Não sabia que podemos ter sete armas em casa e atirar por esporte.pode chegar em casa e dar arma pra adolescente sem juízo guardar? A amiga estava no banheiro?se a arma caiu no chão e hora dela pegar a bala saiu pra cima?saiu retilinea ao chão?se ela não apontou no nariz da menina como que do chão foi para o nariz da outra?Quando estudamos Fisica estudamos trajetoria de balas tbem.pela trajetoria da bala e a posição do corpo os peritos inteligentes vão desvendar já já a verdade.Que sejam punidos os 2.que não reine a impunidade.A lei é para todos que cometem erros. Ele errou em dar a arma pra filha.a menina errou de pegar.errou de derrubar .roleta russa não é. A menina foi encontrada no banheiro.entao a outra foi guardar a arma no banheiro?

  • Fabrício
    15 Jul 2020 às 17:33

    Pois é, e o que ninguém fala é o fato de que as autoridades, a mãe da menor, e demais envolvidos, só foram avisados 1 hora após o disparo....

  • Moacir
    15 Jul 2020 às 17:27

    Cada declaração a situação do ocorrido muda. Agora a pistola era do "sogro" da garota que matou e elas estavam no banheiro. O advogado apela para o emotivo. Está mais para um psicólogo. Muita mentira envolvida. Até nós, leigos, conseguimos perceber. E a família não ter participado do velório e enterro , pegou muito mal. Com certeza não está dando nenhuma assistência a mãe enlutada. Ainda que apoio moral.

  • Carlos
    15 Jul 2020 às 16:59

    Apesar que isso não vai trazer a vida da adolescente de volta mas por outro lado o magistrado Toma uma atitude mais condizente com o caso

  • Alguém
    15 Jul 2020 às 16:02

    Juiz vai ter que pedir licença pra desapossar, voltar para a universidade estudar novamente. Ele só pode ser indiciado depois de todas as investigações estiverem fundadas e que ele ou a filha menor tiverem em posse da arma. Uma hora falam uma coisa e em outra hora, outra. Um juiz não pode imputar crime quando ainda não houver culpado.

  • Cezar
    15 Jul 2020 às 15:50

    armas...

Sitevip Internet