Olhar Jurídico

Quarta-feira, 17 de agosto de 2022

Notícias | Ambiental

problemas ambientais

Juiz dá 72 horas para Fort Atacadista se defender em ação que pede fechamento de supermercado inaugurado na sexta

Foto: Reprodução

Juiz dá 72 horas para Fort Atacadista se defender em ação que pede fechamento de supermercado inaugurado na sexta
O juiz Rodrigo Roberto Curvo, da Vara Especializada em Meio Ambiente de Cuiabá, concedeu prazo de 72 horas para que o Fort Atacadista se manifeste sobre ação civil pública, com pedido liminar, requerendo o fechamento e a paralisação imediata das atividades de filial inaugurado na sexta-feira (26), na Rodovia Emanuel Pinheiro, saída para Chapada dos Guimarães.

Leia também 
Ministros votam com relator, contra lei que estabelece INPC como fator de cálculo da RGA

 
“Entendo por bem antes de apreciar o pedido de concessão de tutela de evidência, ouvir a parte contrária, razão pela qual postergo a análise do pleito para após a manifestação das requeridas, o que ora determino, fixando para tanto o prazo improrrogável de 72 (setenta e duas) horas”, despachou Curvo, ainda na sexta-feira (26).
 
O Ministério Público do Estado de Mato Grosso ingressou com ação civil pública ressaltando que o empreendimento não possui Alvará de Ocupação (Habite-se do prédio) e nem Licença Ambiental de Instalação e Operação. Além disso, parte do empreendimento foi edificado em Área de Preservação Permanente.
 
Segundo o MPE, para viabilizar a obra, foi realizada a tubulação de um córrego localizado na área sem qualquer autorização, colocando em risco a integridade física da população e degradando o meio ambiente.

Consta na ação que durante o trâmite do inquérito civil houve tentativas de resolução consensual e a empresa foi notificada por diversas vezes para que submetesse à aprovação do órgão municipal o projeto arquitetônico do prédio e a retirada de toda e qualquer edificação/construção/impermeabilização da Área de Preservação Permanente.

Segundo o MP, a inexistência de Habite-se (Alvará de Ocupação) apresenta risco iminente à população cuiabana, posto que somente o documento expedido pela Prefeitura Municipal certifica a adequação da edificação aos parâmetros técnicos de segurança.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet