Olhar Jurídico

Sábado, 23 de outubro de 2021

Notícias / Eleitoral

campanha de 2014

Juiz retira sigilo de inquérito com base em delação que aponta suposto caixa 2 de Pedro Taques

Da Redação - Arthur Santos da Silva

10 Mai 2021 - 09:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz retira sigilo de inquérito com base em delação que aponta suposto caixa 2 de Pedro Taques
O juiz Jorge Alexandre Martins Ferreira, da 51ª Zona Eleitoral, determinou retirada de sigilo de inquérito em face do ex-governador de Mato Grosso, Pedro Taques. Caso tem como base delação premiada firmada pelo empresário Alan Malouf.

Leia também 
Gráfica deu mais de R$ 2 milhões em caixa 2 para campanha de Taques, diz delator

 
O inquérito apura suposta prática de caixa 2 eleitoral. Há suspeita de que Taques tenha sido beneficiado por doações de campanha nas eleições de 2014, não contabilizadas em sua respectiva prestação de contas, feitas, em tese, pela empresa Gráfica Print, no montante de R$ 2 milhões.
 
“Extrai-se das declarações de Alan Malouf, que a Gráfica Print, de propriedade de Dalmi Defanti, prestou serviços de publicidade para campanha de Pedro Taques que, em razão de possíveis envolvimentos da empresa em outras investigações, deliberadamente optou por não receber doação formal, recebendo e pagando os serviços via caixa 2. O dinheiro teria sido entregue a Julio Modesto. Foram entregues R$ 2 Milhões em material esquentado com notas, como se comprado. As notas são em valor menor do que o que foi prestado. O valor que foi pago teve deslocamento financeiro, com ingresso, recolhimento de impostos, saída de valores e devolução a Julio”, afirma relatório do Ministério Público.
 
O sigilo havia sido decretado em setembro de 2020 por Jorge Alexandre Martins Ferreira. Na ocasião, o magistrado citou que Taques concorria ao cargo de senador.
 
“Tratando-se o investigado de postulante a cargo público eletivo, impõe-se a decretação da medida como imprescindível à manutenção da isonomia entre todos os candidatos e, resguardando-se, por consequência, a presunção de inocência que milita a favor de qualquer um contra o qual não exista imputação criminal com trânsito em julgado”, explicou o juiz na ocasião. 
 
Decisão que retirou sigilo é do dia quatro de março.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet