Olhar Jurídico

Domingo, 17 de janeiro de 2021

Notícias / Criminal

Justiça bloqueia R$ 12 milhões de acusados de lavar dinheiro do jogo do bicho em fazendas de MT

Da Redação - Wesley Santiago

27 Nov 2020 - 10:18

Foto: Gaeco

Justiça bloqueia R$ 12 milhões de acusados de lavar dinheiro do jogo do bicho em fazendas de MT
Um balanço da ‘Operação Sunset’, deflagrada na quarta-feira (25), com objetivo de combater a lavagem de dinheiro proveniente do jogo do bicho, foi divulgado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado de Bauru (Gaeco), na última quinta-feira (26). A Justiça bloqueou R$ 12 milhões dos envolvidos. Uma das famílias tradicionais do interior paulista é acusada de usar propriedades rurais de Mato Grosso para lavar o dinheiro do crime.

Leia mais:
Propriedades rurais de MT eram usadas por família tradicional para lavar dinheiro do jogo do bicho
 
Durante a operação, foram cumpridos mandados de buscas em diversos endereços das cidades de Dom Aquino (MT) e Marília, Ibitinga, Borborema e Dom Aquino, todas estas no interior paulista.
 
Segundo o Gaeco foram apreendidos mais de R$ 1 milhão em cheques e dinheiro, 14 veículos, além de embarcações e bloqueio de imóveis. Também foi feita a ordem de bloqueio de contas bancárias em mais de R$ 12 milhões dos envolvidos.
 
Segundo as investigações, o primeiro grupo, liderado por família tradicional, sediado em Ibitinga e Bauru, promove a lavagem de dinheiro por meio de produções rurais dissimuladas, situadas nos estados de São Paulo e Mato Grosso, movimentando milhões de reais provenientes do jogo do bicho.
 
A investigação do Ministério Público tem por alvo três organizações criminosas que promovem a lavagem de dinheiro proveniente do jogo do bicho realizado em dezenas de cidades do Centro-Oeste do estado de São Paulo, além de outros estados, dentre as quais Bauru, Marília, Ibitinga, Agudos, Borborema, Duartina, Piratininga, Lins, Guarapuava, Itajobi, Itápolis, Piracicaba, Ribeirão Preto, Guarulhos, Matão, Pompeia, Ribeirão do Sul, Tupã, Taquaritinga, Jaboticabal, Paraguaçu Paulista, Pereira Barreto, Teodoro Sampaio, Itaporanga, Maringá/PR, dentre outras.
 
O segundo grupo, liderado por outra família, sediado em Marília, mantém diversas empresas com operações dissimuladas, além de propriedades rurais e holding patrimonial, por meio das quais promovem a lavagem de vultosa quantia proveniente do jogo do bicho e por fim o terceiro grupo, também sediado em Marília, promove a lavagem de dinheiro por meio de holding patrimonial que, ao longo dos anos, formou patrimônio imobiliário expressivo.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet