Olhar Jurídico

Quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Notícias / Civil

Juiz se declara suspeito e deixa processo da Operação Ventríloquo

Da Redação - Arthur Santos da Silva

18 Out 2020 - 14:03

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz se declara suspeito e deixa processo da Operação Ventríloquo
O juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Cível Pública e Ação Popular da Comarca de Cuiabá, se declarou suspeito para atuar em processo proveniente da Operação Ventríloquo, ação sobre o esquema de desvio de R$ 9,4 milhões na Assembleia Legislativa (ALMT). Decisão é do dia 15 de outubro.

Leia também 
Juiz mantém bloqueio contra empresário em ação por desvios de R$ 9 milhões na ALMT

 
O Ministério Público do Estado (MPE) ingressou com ação de improbidade administrativa pedindo que os réus na Operação Ventríloquo devolvam o montante de R$ 19 milhões aos cofres públicos, a título de restituição de valores desviados e dano moral.
 
Constam como réus o suplente de deputado estadual, Romoaldo Junior (MDB), os ex-parlamentares José Riva, Mauro Savi e Gilmar Fabris. Também são citados: Anderson Flávio de Godoi, Luiz Márcio Bastos Pommot, Francisvaldo Mendes Pacheco, Odenil Rodrigues de Almeida, Ana Paula Ferrari Aguiar, Marcelo Henrique Cini, Cleber Antonio Cini, Valdir Daroit, Leila Clementina Sinigaglia Daroit, Claudinei Teixeira Diniz, Edilson Guermandi de Queiroz, Julio Cezar Domingues Rodriguez e José Antonio Lopes.
 
Segundo narrado na denúncia, a Assembleia contratou seguro junto ao antigo Bamerindus Companhia de Seguros na década de 90 (hoje HSBC, que o incorporou), porém, não quitou os valores devidos, o que levou a Seguradora a ingressar com ação de execução no ano de 1997. Foi promovido então um acordo irregular.

De acordo com o Ministério Público, no período compreendido entre os anos de 2013 e 2014 (época do acordo), os parlamentares constituíram organização com objetivo de saquear a “Casa de Leis”.

Consta na ação que a organização criminosa subtraiu dos cofres da Assembleia Legislativa cerca de R$ 9,4 milhões valendo-se da facilidade que proporcionava a condição de servidores públicos e agentes políticos de alguns de seus membros.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet