Olhar Jurídico

Sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Notícias / Criminal

Prefeito é preso pelo Gaeco acusado de receber propina de empresário

Da Redação - Wesley Santiago

30 Set 2020 - 10:10

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Prefeito é preso pelo Gaeco acusado de receber propina de empresário
O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) prendeu, na manhã desta quarta-feira (30), o prefeito do município de Rondolândia, Agnaldo Rodrigues de Carvalho, com base nas provas colhidas em inquérito policial que apura suposto crime de corrupção cometido pelo prefeito e, também, pela ex-secretária de Saúde do município, Katia Monteiro.

Leia mais:
Câmara arquiva relatório de CPI que pedia afastamento do prefeito

A ordem de prisão preventiva foi do desembargador Marcos Machado, atendendo ao pedido formulado pelo coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco – Criminal), procurador de Justiça Domingos Sávio de Barros Arruda.

Segundo apurado, ambos receberam propina do empresário Nélio de Matos Júnior em contrato celebrado entre a empresa F.M. da S. Santos com a prefeitura de Rondolândia, visando o fornecimento de serviços de plantão médico. O empresário estaria pagando aos médicos vinculados à empresa um valor menor do previsto no contrato e a diferença ele repassava ao prefeito e à ex-secretária de Saúde.

No mês de agosto, durante cumprimento de mandados de busca e apreensão policiais do Naco e do Gaeco, o prefeito Agnaldo Rodrigues de Carvalho fugiu da cidade ao perceber a movimentação dos policiais em Rondolândia. Na sua casa foram apreendidos não apenas documentos, mas, também armas e munições irregulares.

De acordo com a ordem judicial, a prisão preventiva ocorrida nesta quarta feira busca garantir a ordem pública, evitar a reiteração criminosa, assegurar a aplicação da lei penal e, também, por conveniência da instrução criminal.

Segundo o coordenador do Naco, procurador de Justiça Domingos Sávio de Barros Arruda, o inquérito policial deverá ser encerrado com a prisão e o interrogatório do prefeito e de outras pessoas envolvidas no esquema.

Depois disso, no prazo máximo de quinze dias, será apresentada a denúncia criminal contra os envolvidos perante o Tribunal de Justiça.



Atualizada às 10h17

Comentários no Facebook

Sitevip Internet