Olhar Jurídico

Quinta-feira, 01 de outubro de 2020

Notícias / Criminal

Juiz condena Arcanjo a oito anos de prisão por lavagem de dinheiro oriundo do crime organizado

Da Redação - Vinicius Mendes

15 Nov 2019 - 09:29

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Juiz condena Arcanjo a oito anos de prisão por lavagem de dinheiro oriundo do crime organizado
O juiz federal João Moreira Pessoa de Azambuja condenou João Arcanjo Ribeiro a oito anos e quatro meses de prisão em regime fechado, pelo crime de lavagem de dinheiro. O bicheiro foi acusado de criar empresas no Uruguai para lavar o dinheiro do crime organizado antes de retorná-lo ao Brasil.
 
Leia mais:
Juiz extingue ação de cooperativa que buscava sequestro de fazenda de Silval Barbosa
 
O caso começou a ser investigado em 2003 pela Polícia Federal na "Operação Arca de Noé". O bicheiro foi apontado como líder de uma organização criminosa que lavava alta quantia em dinheiro oriundo do crime organizado, por meio de transações com empresas no Uriguai.
 
O magistrado considerou que a organização criminosa não encontrou obstáculos para reciclar a elevada quantia de dinheiro do crime organizado, que demandou diversas operações para que fosse repatriado.
 
Ele então condenou Arcanjo a oito anos e quatro meses em regime fechado, por considerar que ele não atende as condições para fixação de regime inicial menos gravoso.
 
"Assim, agindo, ocultou, dissimulou a natureza, origem, localização, disposição, movimentação de valores provenientes diretamente de crime contra sistema financeiro nacional, introduzindo-os no Brasil em atividades econômicas e financeiras".
 
Arca de Noé
 
A Operação Arca de Noé foi deflagrada em 2002 pela Polícia Federal e desmantelou sistema financeiro à margem do oficial liderado pelo ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro. O então criminoso contava com o auxílio de políticos como os ex-deputados José Riva e Humberto Bosaipo. O objetivo era desviar dinheiro público por meio de empresas fantasmas e depois lavar as quantias nas factorings de Arcanjo.


Com informações do Jornal A Gazeta.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet