Olhar Jurídico

Terça-feira, 12 de novembro de 2019

Notícias / Criminal

Ex-prefeito é denunciado em duas ações por improbidade administrativa

Da Redação - Arthur Santos da Silva

18 Out 2019 - 10:19

Foto: Reprodução

Ex-prefeito é denunciado em duas ações por improbidade administrativa
O promotor de Justiça Wagner Antonio Camilo, membro do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), ofereceu em outubro duas denúncias contra o ex-deputado estadual e ex-prefeito de Rondonópolis (212 km de Cuiabá), Percival Muniz.

Leia também 
Desembargador Rondon Bassil é escolhido relator de processo contra ex-chefe do Gaeco

 
Na primeira, do dia 1º de outubro, são denunciados, além de Percival, a empresa Max Ferraz Produções Artísticas e a pessoa identificada como Maximiano Ferraz de Almeida.

Segundo o Ministério Público, há irregularidade na conduta do ex-prefeito de, relativamente à contratação da banda Voz da Verdade para a realização do aniversário da cidade no ano de 2014, a qual teria sido efetuada através de representante exclusivo dos artistas pelo valor de R$ 80 mil.
 
Há requerimento para concessão de liminar e bloqueio de R$ 80 mil. No mérito, o Ministério Público pede a efetiva devolução de valores atualizados.
 
O segundo processo, datado do dia 14 de outubro, aciona, além de Percival, pessoas identificadas como Argemiro José Ferreira de Souza, Renildo Carlos Gomes de Carvalho e a empresa Reyco Distemas e Serviços de Sinalização Ltda.
 
Conforme os autos, houve irregularidade em dispensa de licitação que teve por objeto a contratação de empresa destinada à prestação de serviços de operação e manutenção da Estação Prestadora de Serviços de Telecomunicação e Tráfego Aéreo (EPTA), bem como os serviços de manutenção preventiva e corretiva para auxílio de proteção aos voos do Aeródromo de Rondonópolis. Houve dano ao erário no valor de R$ 288 mil.
 
O Ministério Público também pede concessão de liminar para bloqueio de R$ 288. No mérito, a solicitação é para que haja efetiva restituição.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • NA VEIA
    18 Out 2019 às 21:19

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • joaoderondonopolis
    18 Out 2019 às 20:58

    O Ministério Público já fez uma investigação sobre a zona azul? Se não fez, já está passou da hora.

Sitevip Internet