Olhar Jurídico

Quarta-feira, 05 de agosto de 2020

Notícias / Geral

AMAM comemora vetos de Bolsonaro e diz que lutará para que não sejam derrubados; veja quais são

Da Redação - Vinicius Mendes

06 Set 2019 - 08:26

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

O presidente da AMAM, Tiago Abreu

O presidente da AMAM, Tiago Abreu

A Associação Mato-Grossense de Magistrados (AMAM) comemorou alguns vetos do presidente Jair Bolsonaro no projeto de lei sobre abuso de autoridade (Lei 13.869/2019) e afirmou que agora os esforços são para que eles não sejam derrubados. Foram 36 vetos do total de 108 dispositivos. A Associação Brasileira de Magistrados havia feito 13 pedidos de veto, e destes, sete foram atendidos.
 
Leia mais:
MP apura ocupação de terreno do Estado por loja maçônica após anulação de doação
 
A Associação Brasileira de Magistrados (AMB), entregou ao presidente da República, Jair Bolsonaro, e ao ministro de Justiça e Segurança, Sérgio Moro, 13 pedidos de veto à Lei de Abuso de Autoridade. Nesta quinta-feira, 5 de setembro, foi publicado no Diário Oficial da União, em edição extra, a Lei 13.869/2019. Dos 13 pedidos de veto feitos pela AMB, sete foram atendidos.
 
De acordo com o presidente da Associação Mato-Grossense de Magistrados (AMAM), Tiago Abreu, os vetos solicitados atingem diretamente a atuação dos magistrados, ferindo a independência do Poder Judiciário. “Pretendemos somar forças junto à AMB e intensificar o trabalho de manutenção dos vetos. Vamos continuar firme nessa luta”, disse o presidente da Amam.
 
Entre os vetos está o artigo 9º, que trata de “decretar medida de privação da liberdade em manifesta desconformidade com as hipóteses legais”, que foi barrado pelo presidente por considerar “se tratar de tipo penal aberto e que comportam interpretação”.
 
Também foi vetado o artigo 20, que trata sobre “impedir, sem justa causa, a entrevista pessoal e reservada do preso com seu advogado”. O presidente também considerou que, da forma como foi escrito, “gera insegurança jurídica por encerrar tipo penal aberto e que comporta interpretação”.
 
A AMB estuda propor uma ação de inconstitucionalidade para os artigos preservados na lei sancionada que podem comprometer ou gerar dúvidas em relação à atuação do Judiciário. Confira aqui os vetos.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Josefina Marques
    06 Set 2019 às 16:22

    Tradução: lutam para manter privilégios como auxílio moradia de quase cinco mil reais enquanto povo acorda de madrugada, pega ônibus e ganha salário mínimo. Acorda povo brasileiro.

  • Kleber Luiz
    06 Set 2019 às 10:06

    Claro que esses juizinhos (no diminutivo mesmo), iriam criticar. Juiz se acha Deus. Não aceita crítica. Usa holofotes para entrar na política. Veja Selma, Witzel e Moro. A verdade é cristalina. Só não enxerga quem não quer.

  • Samuel
    06 Set 2019 às 09:45

    Mas gosta dum holofote hein...

Sitevip Internet