Olhar Jurídico

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

Vara de Execução nega trocar bens de Silval Barbosa por mansão em disputa

Da Redação - Arthur Santos da Silva

22 Ago 2019 - 15:43

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Vara de Execução nega trocar bens de Silval Barbosa por mansão em disputa
O juiz Leonardo Pitaluga, da Vara de Execução Penal de Cuiabá, indeferiu nesta quinta-feira (22) pedido do ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, para substituir três imóveis entregue em delação premiada por uma mansão localizada em Jurerê Internacional.
 
Leia também 
MPE cobra urgência em alienação e venda de bens entregues por delator Silval Barbosa


O magistrado adiou exame sobre um segundo pedido semelhante, que busca substituir os imóveis por uma cobertura no bairro Jardim das Américas, em Cuiabá, no Edifício Riviera da América.
 
A possível troca pela mansão foi negada por culpa de um litígio envolvendo o imóvel. Silval Barbosa afirma ter comprado o bem do ex-deputado estadual Gilmar Fabris. Porém, ainda segundo o delator, o empresário Valdir Piran invadiu a residência argumentado que Fabris lhe devia. O imbróglio ocorreu enquanto o delator premiado estava no Centro de Custódia de Cuiabá.
 
Para examinar a possibilidade de alienar a cobertura no Edifício Riviera da América, Leonardo Pitaluga deu prazo de 10 dias para que seja juntado no processo avaliação atualizada do imóvel. O Ministério Público Estadual (MPE) já deu parecer favorável.
 
Os bens a serem substituídos são: um terreno localizado no Condomínio Portal das Águas, no Lago do Manso, avaliado em R$ 1,2 milhão; um lote urbano localizado no Município de Sinop, com 2.500 m², avaliado em R$ 860mil; imóvel com área total de 220m², localizado na Rua Antônio Maria nº 125, Centro, Cuiabá, avaliado em R$ 700 mil.
 
Pitaluga também requereu mais informações sobre o imóvel de 220m² em Cuiabá. Segundo relatado, o bem não consta na relação inicial entregue durante delação. Assim, seria impossível substituí-lo.
 
Em delação, Silval Barbosa se comprometeu a devolver R$ 70 milhões. Parte em bens e parte em dinheiro. Até o momento, apenas o bimotor modelo Seneca III BEM 810D, avaliado em R$ 900 mil, foi transferido.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet