Olhar Jurídico

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

TJ manda soltar mais envolvidos em organização do jogo do bicho em Mato Grosso

Da Redação - Vinicius Mendes

21 Ago 2019 - 15:00

Foto: Reprodução

José Carlos de Freitas, que foi preso em Recife

José Carlos de Freitas, que foi preso em Recife

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso determinou, nesta quarta-feira, a soltura de José Carlos de Freitas e Bruno César Aristides Martins, acusados de envolvimento no esquema de jogo do bicho em Mato Grosso, descortinado na “Operação Mantus” em maio deste ano.

Os desembargadores consideraram as outras prisões já revogadas e o fato deles serem réus primários. O acusado de liderar um dos grupos criminosos, Frederico Muller Coutinho, e o genro de João Arcanjo Ribeiro, Giovani Zen, acusado de liderar junto com seu sogro o grupo rival, já foram soltos.
 
Leia mais:
TJ revoga prisões de mais quatro réus por envolvimento no jogo do bicho; Arcanjo segue preso
 

No início deste mês o TJ já havia revogado a prisão de outros 12 investigados na “Operação Mantus”, que apurou contravenção penal do jogo do bicho e lavagem de dinheiro. Os desembargadores levaram em consideração que eles não apresentam antecedentes criminais e substituíram as detenções por medidas cautelares.
 
Em sessão desta quarta-feira (21), os magistrados julgaram recursos de habeas corpus interpostos pelas defesas de José Carlos, Adelmar e Bruno. O desembargador Rui Ramos, ao ler seu voto, citou as decisões antigas.
 
“Nos julgamentos anteriores nós substituímos a prisão por medidas cautelares, entendendo que não é caso de prisão, mas também não é hipótese de deixar em liberdade sem medidas, especialmente para quem não tem antecedentes criminais”, disse o magistrado.
 
Ele ainda afirmou que os acusados “não são pessoas que estão diretamente ligadas a esta atividade, mas que já vem há algum tempo neste envolvimento com a organização”. Os desembargadores então decidiram pela soltura de José Carlos, apontado como gerente da Colibri, e Bruno César Aristides Martins, nos mesmos moldes das anteriores, com colocação de monitoração eletrônica. No mesmo HC também estava o pdido de soltura de Paulo César Martins e Breno César Martins, mas estes já tiveram a prisão revogada na última quinta-feira (15).
 
A operação
 
A Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Fazenda e Crimes Contra a Administração Pública (Defaz) e da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), deflagrou na manhã do dia 29 de maio a Operação Mantus, com o escopo de prender duas organizações criminosas envolvidas com lavagem de dinheiro e com a contravenção penal denominada jogo do bicho.
 
A operação visou dar cumprimento a 63 mandados judiciais, sendo 33 de prisão preventiva e 30 de busca e apreensão domiciliar, expedidos justamente pelo juiz da 7ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá, Jorge Luiz Tadeu.
 
As investigações iniciaram em agosto de 2017, descortinando duas organizações criminosas que comandam o jogo do bicho em Mato Grosso. Ambas movimentaram em um ano, apenas em contas bancárias, mais de R$ 20 milhões.
 
Uma das organizações seria liderada por João Arcanjo e seu genro, Giovanni Zem Rodrigues. A outra seria liderada por Frederico Muller Coutinho.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet