Olhar Jurídico

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

Justiça adia julgamento de pecuarista que atropelou irmãos há 12 anos e mãe relata angústia

Da Redação - Vinicius Mendes

16 Ago 2019 - 14:45

Foto: Reprodução

Justiça adia julgamento de pecuarista que atropelou irmãos há 12 anos e mãe relata angústia
O julgamento de Celzair Ferreira de Santana, que estava marcado para esta sexta-feira (16), foi adiado após a defesa dele apresentar atestado médico, comprovando internação em um hospital. Há 12 anos, o réu atropelou e matou os irmãos Katherine Louise Bittencourt, de 19 anos, e Diego Guimarães Bittencourt, de 14, em Poconé (a 104 km de Cuiabá). A mãe das vítimas, Rosinéia Guimarães, disse estar sofrendo com a demora.
 
Leia mais:
TJ reverte absolvição e condena babá por morte de bebê de 8 meses asfixiada
 
O crime ocorreu em novembro de 2007, no município de Poconé. Katherine e Diego estavam parados e encostados em um meio fio quando foram atropelados por Celzair, que os atingiu pelas costas.
 
O acusado teria piscado os faróis, mas conforma constatado pela perícia, não houve frenagem, ou seja, não tentou evitar a colisão. Após atropelar os dois irmãos Celzair fugiu e só parou o carro após colidir com um poste. Ele estaria dirigindo a 134 km/h em uma rua em que a velocidade permitida é 40 km/h.
 
O processo tramita na 1ª Vara Criminal de Cuiabá desde 2008 e o julgamento de Celzair, pelo Tribunal do Júri, estava marcado para esta sexta-feira (16). No entanto, a defesa do acusado entrou com pedidos de adiamento, um deles por motivo de saúde.
 
“No caso, a defesa pleiteou, em tempo hábil, o adiamento do julgamento, tendo em vista a internação do réu em unidade hospitalar, desde o dia 14/08/2019, para tratamento de possível doença cardíaca, apresentando o respectivo atestado médico (fls. 2016/2022), com recomendação de repouso e proibição de locomoção até a melhora do quadro clínico, com a anotação de que o tratamento teve início no dia 25/06/2019, circunstância que impossibilitará o seu comparecimento ao julgamento”, citou a juíza Monica Catarina Perri Siqueira.
 
A magistrada então aceitou o pedido e redesignou o julgamento de Celzair para o próximo dia 29 de outubro, às 9h, afirmando que não há “risco eminente de prescrição, em homenagem aos princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa”.
 
A mãe de Katherine e Diego, Rosinéia Guimarães, se manifestou sobre o adiamento do julgamento. Ela disse que a demora do julgamento tem lhe causado angústia e sofrimento, e que tem se sentido incapaz.
 
“Não consigo entender e aceitar como pode esse assassino matar meus filhos dessa forma e nada acontecer. Já se passaram 12 anos do ocorrido. A demora por justiça causa em mim, angustia e sofrimento moral que é um desrespeito à dignidade da pessoa humana. E ele sempre tentando procrastinar o processo. Meu coração está espedaçado, sinto-me incapaz, impotente. Sem palavras que eu possa expressar a imensa dor e sofrimento”, disse Rosinéia.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Shirley
    17 Ago 2019 às 13:08

    até quando essa (in)justiça vai acatar farrapos de desculpas para determinar a prisão de mais um assassino?? aos familiares das vítimas fica apenas a saudade...

  • INJUSTIÇA
    17 Ago 2019 às 10:48

    LAMENTÁVEL ESSA INJUSTIÇA BRASILEIRA FUNCIONA SOMENTE PARA OS POBRES. QUEM TEM DINHEIRO FAZ OQUE QUISER NA CIDADE E FICA SOLTO

  • paulo roberto
    16 Ago 2019 às 20:00

    Uma pergunta se o motorista assassino fosse um zé mané, já estaria julgado e preso há muito tempo, a demora da justiça é também culpada pela impunidade no Brasil, porque será $$$$$.......

  • Milton MORADA DA SERRA
    16 Ago 2019 às 17:58

    Perdoa. Foi acidente.

  • Juca
    16 Ago 2019 às 17:28

    Lamentável acontecimento, mas os jovens estavam em local não seguro, ou seja encostados no meio fio, na rua.

  • Indignado.
    16 Ago 2019 às 17:18

    São por morosidade como esta que a justiça vai ficando desacreditada e aumentando a certeza de impunidade para quem tem condições financeiras

  • observo
    16 Ago 2019 às 16:26

    Q absurdo...12 anos aguardando um julgamento...e o assassino solto....

  • Crítico
    16 Ago 2019 às 16:10

    Novo atestado médico...... Brincadeira, o magistrado tem que checar a veracidade do atestado. Perguntar não ofende pq não ocorre o julgamento em Poconé. Só pq o assassino tem dinheiro?

Sitevip Internet