Olhar Jurídico

Segunda-feira, 22 de abril de 2019

Notícias / Criminal

Defesa da tenente Ledur pede anulação de todas as provas e cita incompetência da Polícia Civil para investigar

Da Redação - Wesley Santiago/Da Reportagem Local - Fabiana Mendes

15 Abr 2019 - 15:15

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Defesa da tenente Ledur pede anulação de todas as provas e cita incompetência da Polícia Civil para investigar
A defesa da tenente Izadora Ledur de Souza Dechamps, acusada de torturar e causar a morte do jovem Rodrigo Claro, em novembro de 2016, durante um treinamento do Corpo de Bombeiros, requereu – nesta segunda-feira (15), durante audiência na 11ª Vara Criminal Especializada da Justiça Militar- a anulação e todas as provas produzidas pela Polícia Civil. Segundo o advogado Huendel Rolin a PJC não teria competência para realizar a investigação. O pedido foi negado pela maioria.

Leia mais:
Ledur pede adiamento de audiências sobre morte de aluno soldado em treinamento, mas juiz nega
 
Durante a audiência, a defesa pontuou que a Polícia Civil não teria a competência para fazer a investigação. “Foi conduzido por uma autoridade totalmente incompetente. Isto vem acarretando em inúmeros prejuízos e violações das garantias constitucionais da denunciada”.
 
“A Polícia Civil não tem o mesmo olhar que os militares. Os tipos de delitos, eventualmente praticados no âmbito civil, possuem características distintas. A Polícia Militar possui uma estrutura rígida para investigar estes casos, a sua especificidade, para julgar estes casos”, completa o advogado.
 
Por conta do fato, Huendel Rolin requisitou a anulação de todas as provas da investigação da Polícia Civil, com exceção das técnicas.

O magistrado explicou que, em outubro de 2017 a tortura passou a ser crime militar. Antes da vigência da lei, quando aconteceu a denúncia, não havia irregularidade por tramitar na polícia civil, sendo assim, na época era considerado crime comum.

Por maioria (6 a 1) o conselho votou pela rejeição da questão de ordem do procedimento de instrução.

Ledur deve ser ouvida no próximo dia 16 de abril, às 13h30 no Fórum de Cuiabá.

O caso
 
Rodrigo Patrício Lima Claro, de 21 anos, ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e faleceu por volta de 1h40 do dia 16 de novembro de 2016. Ele teria sido dispensado no final do treinamento do curso dos bombeiros, após reclamar de dores na cabeça e exaustão. O jovem teria passado por sessões de afogamento e agressões por parte da tenente Izadora ledur.
 
O Corpo de Bombeiros informou que já no Batalhão ele teria se queixado das dores e foi levado para a policlínica em frente à instituição. Ali, sofreu duas convulsões e foi encaminhado em estado crítico ao Jardim Cuiabá, onde permaneceu internado em coma, mas acabou falecendo.

O corpo de Rodrigo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal, mas análise preliminares não apontaram a real causa da morte e por isso exames complementares foram realizados, de acordo com a perícia criminal.

Atualizada às 15h54.

16 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Giovani
    16 Abr 2019 às 16:02

    Independente da competência ou não da polícia civil neste caso, todos sabem do corporativismo que rola na esfera Militar. Basta examinar a estatística de condenação em crimes militares. Essa senhora tem que ser punida com todo rigor da lei, para servir de exemplo para que outros oficiais de mesma índole, não venham a cometer delito como esse.

  • Marina
    16 Abr 2019 às 08:41

    Roger , quando se fala em "competência" da polícia civil é no âmbito jurídico no sentido de não ter atribuição para tal ato, não de incapacidade ou inaptidão, estude antes de criticar.

  • Roger
    15 Abr 2019 às 18:26

    Então, se o PJC não teve competência nas investigações realizadas referente a morte do aluno do corpo de bombeiros, então peça para o governo desativar essa corporação.

  • Gladston
    15 Abr 2019 às 17:59

    Caro Dr. Huendel Rolin, a sua argumentação também poderia ser usada, estando de joelhos, para pedir à DEUS que anulasse a morte daquele, menino causada pela incompetência de sua cliente. O QUE ACHA?

  • Igor Arruda
    15 Abr 2019 às 17:50

    Encontrei essa senhorita sabado agora no shopping estação dando boas risadas com o marido, como se naaaaada tivesse acontecido!!

  • Igor Arruda
    15 Abr 2019 às 17:50

    Encontrei essa senhorita sabado agora no shopping estação dando boas risadas com o marido, como se naaaaada tivesse acontecido!!

  • DOMINGOS SANTANA DA CRUZ
    15 Abr 2019 às 17:45

    QUEM APURA HOMICÍDIO NESTE PAÍS E A POLICIA CIVIL E FEDERAL,E NÃO CORPO DE BOMBEIROS E POLICIA MILITAR,SENÃO QUE ESTRUTURA TEM ESSES ÓRGÃOS PARA QUESTIONAR TAL COMPETÊNCIAS

  • CAL
    15 Abr 2019 às 17:38

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • militar
    15 Abr 2019 às 17:09

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • José
    15 Abr 2019 às 16:58

    Lamentável... é somente a justiça de Deus. O histórico desta militar diz tudo, foram vários os abusos em outros cursos e todos sabiam e não fizeram nada para evitar uma tragedia anunciada... infelizmente uma vida de um jovem se foi...

Sitevip Internet