Olhar Jurídico

Quarta-feira, 22 de maio de 2019

Notícias / Criminal

​MP aponta que militares mataram tenente Scheifer para evitar que fossem denunciados por desvio de conduta

Da Redação - Vinicius Mendes

11 Jan 2019 - 15:20

Foto: Rogério Florentino / OD / Reprodução

​MP aponta que militares mataram tenente Scheifer para evitar que fossem denunciados por desvio de conduta
O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 13ª Promotoria de Justiça Criminal, denunciou os policiais militares Lucélio Gomes Jacinto, Joailton Lopes de Amorim e Werney Cavalcante Jovino, por homicídio triplamente qualificado praticado contra o 2º TEN PM Carlos Henrique Paschiotto Scheifer, em maio de 2017.
 
A princípio os militares haviam inventado que Sheifer teria sido morto em um confronto com uma quadrilha, mas após apurações a versão foi desmentida e foi constatado que o militar morreu vítima de um disparo feito por um de seus colegas, segundo o MP, para evitar que fossem denunciados por desvio de conduta.
 
Leia mais:

Cinco meses após reconstituição de morte, Politec pede ao MP prorrogação de prazo para conclusão de laudo
 
A motivação do crime, conforme o MPMT, foi evitar que a vítima adotasse medidas contra os denunciados que pudessem resultar em responsabilização e, até mesmo eventual  perda da farda, por desvio de conduta em uma operação que culminou na morte de um dos suspeitos de roubo na modalidade “novo cangaço”.
 
Consta na denúncia, que o TEN PM Carlos Henrique Paschiotto Scheifer foi atingido por um disparo frontal efetuado pelo próprio colega de farda na região abdominal em um local que havia sido no dia anterior palco de confronto entre policiais e suspeitos de roubo.
 
Origem do conflito
 
Segundo o Ministério Público, os fatos começaram com a perseguição da viatura da polícia, cuja equipe estava sob o comando da vítima, a dois automóveis, sendo um veículo Nissan Frontier e o outro um automóvel Mitsubishi L-200 Triton com indivíduos suspeitos da prática de crimes de roubo. Na ocasião, um dos veículos acabou tomando rumo ignorado e o outro perdeu o controle na estrada, quando quatro de seus ocupantes já desceram efetuando vários disparos contras os policiais.
 
A tentativa de prender os assaltantes que, inicialmente, parecia ter sido frustrada acabou obtendo êxito no dia seguinte com apoio de outros militares que atuavam em cidades próximas. Um dos veículos foi localizado em um posto de combustível na cidade de Matupá e o condutor, identificado como Agnailton Souza dos Santos, foi preso.
 
Consta na denúncia, que a partir das informações obtidas no interrogatório do acusado, a equipe de agentes liderada por Scheifer efetuou cerco policial a um imóvel localizado em um bairro na cidade de Matupá, para prender outros suspeitos. Durante a ocorrência, um deles, que “supostamente” portava arma de fogo, teria tentado evadir-se do local e foi atingido por um disparo de fuzil efetuado pelo CB PM Lucélio Gomes Jacinto, vindo a óbito.
 
“Conforme restou apurado nos presentes autos, a lavratura do supracitado boletim de ocorrência foi objeto de divergências e até mesmo de desentendimento entre a vítima, TEN Scheifer, e o denunciado CB PM Lucélio Gomes Jacinto, pois, há fundadas suspeitas que fora inserida, no referido BO, declaração falsa, com o fim de alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante, no que diz respeito às circunstâncias da morte do indivíduo Marconi Souza Santos”, descreveu o promotor de Justiça Allan Sidney do Ó Souza.
 
Segundo ele, testemunhas relaram durante inquérito policial que presenciaram o desentendimento entre a equipe e o TEN Scheifer. Em um determinado momento, os denunciados teriam se reunido às portas fechadas para conversarem sobre o ocorrido.
 
Versão inventada

 
No mesmo dia, durante diligência realizada no local do primeiro confronto com os ocupantes dos veículos, o TEN Scheifer foi atingido por disparo de arma de fogo na região abdominal.
 
Inicialmente, conforme o Ministério Público, os colegas de farda sustentaram que a vítima havia sido atingida por disparo efetuado por suspeito não identificado, que estaria em meio à mata, do outro lado da rodovia. Após a realização do laudo pericial ficou comprovado que o projétil alojado no corpo do tenente partiu de um fuzil portado pelo Cabo PM Lucélio Gomes Jacinto.
 
“Somente após a balística descortinar que o disparo que atingira mortalmente o TEN Scheifer ter saído da arma de fogo portada pelo denunciado CB PM Jacinto, que então mudando a versão de outrora, ele alegou ter se equivocado da pessoa do TEN Scheifer com a do suspeito”, afirmou o promotor de Justiça.
 
Segundo ele, nenhuma das versões apresentadas pelo autor dos disparos foi plausível. “A vítima foi atacada frontalmente (o denunciado afirmara que ela estava de costas) e, em posição de descanso (quando não há perigo pela frente), embora o acusado assevere que o ofendido se apresentava em posição de tiro ‘vietnamita’ (uma forma de posição de ataque)”, sustentou.

Nota da Polícia Militar

CASO SCHEIFER

Em razão da denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual (MPMT) em desfavor de três policiais militares por conta da morte do Tenente PM Carlos Henrique Scheifer, ocorrida em maio de 2017, a Polícia Militar do Estado de Mato Grosso vem a público esclarecer que:

- Todo o material utilizado pelo MPMT para o oferecimento da denúncia tem por base investigação realizada pela Corregedoria da Polícia Militar, procedimento este iniciado logo após o fato;

- Foi o trabalho da Corregedoria da PMMT que identificou contradições nos depoimentos dos policiais que estavam na cena do crime. Além disso, a atuação da PMMT concluiu que o projétil que atingiu o oficial havia partido da arma usada por um destes policiais;

- Os trabalhos realizados pela Corregedoria da PMMT concluíram pelos indícios de autoria e materialidade do crime e foram remetidos, como prevê a legislação, ao Poder Judiciário que, por sua vez, encaminhou o procedimento ao MPMT para análise e eventual oferecimento de denúncia, o que ocorreu.

- Desde a conclusão do inquérito o caso passou a tramitar única e exclusivamente no âmbito do Poder Judiciário que poderá aceitar a denúncia, realizar a instrução processual e, ao final, definir pela condenação ou absolvição dos denunciados
.

28 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Gilson
    12 Jan 2019 às 10:26

    Quanta honestidade e lealdade na policia. Como confiar num povo desses, que mata o proprio companheiro de trabalho.

  • Haroldo
    12 Jan 2019 às 09:48

    Essa é a nossa valorosa PM

  • DOM PIXOTE DE LA PANÇA ...
    12 Jan 2019 às 08:24

    ainda bem que ai não tem corrupto nem ..DOM Quixote de la mancha .

  • LEANDRO
    11 Jan 2019 às 22:47

    Nossa família sempre estará em luto com a perda de nosso Carlos ,mais ficamos intensamente aliviados com tudo isso melhor será depois de todos estiver presos. Esperamos a justiça dos homens e principalmente a justiça de Deus.

  • Amilton Patriota
    11 Jan 2019 às 22:23

    Uma coisa é CERTA, os TRÊS BANDIDOS serão presos, sentenciados, expulsos da PMMT. O CERTO SERIA EXECUÇÃO COMO CRIMES DE GUERRA.

  • Dina do Poção
    11 Jan 2019 às 21:05

    O pior é ver que a pessoa que fez isso leva uma vida tranquila, saindo, indo a shows, festas caras, sorridente e feliz como se nada tivesse acontecido. É triste ver isso! Uma pena mesmo.

  • Yalarhar
    11 Jan 2019 às 20:54

    Prisão aos acusados já!!!!

  • Joao Mello
    11 Jan 2019 às 20:44

    Não concordo com o assassinato do tenente pelo cabo, nem da atitude do tenente em querer prejudicar o policial por ter atirado em um bandido. Aliás, a polícia tem que sentar o dedo nos bandidos, mesmos que eles estejam desarmados.

  • Ares
    11 Jan 2019 às 20:26

    Você Ângelo e mais alguns aqui que comentam tentando arranhar a imagem de uma instituição centenária e jamais conseguirá não passa de trouxas simplesmente trouxas que pagam o nosso salário meu salário hj são onze mil reais Ângelo trouxa e você paga talvez não seja um razoável salário mais se comparar com o da população brasileira que setenta por cento sobrevive com salários na faixa dos 1200 a 1700 reais meu salário se torna um excelente salário e você quem paga trouxa vai um poema magoado mal sucedido frustrado e despeitado Ângelo A CARRUAGEM PMMT SEGUE IMPONENTE E MAJESTOSAMENTE ENQUANTO OS CÃES SARNENTOS DESESPERADAMENTE LATEM LADRAM SEM IINTERROMPER A SUA MAGNÍFICA VIAGEM

  • Cidadao
    11 Jan 2019 às 20:04

    Infelizmente esse nao foi o primeiro e nem será o ultimo que morre por nao aceitar conduta errada dentro da PMMT. Assasinaram covardemente um homem honrado e honesto com um futuro brilhante. Porem nesse caso do Ten Scheiffer, a motivaçao dessa crueldade e covardia tem outro nome: inveja. Ser humano invejoso destroe o outro simplemente por querer e jamais conseguir ser pelo menos metade daquele que se foi. Ao Ten. Scheiffer fica minha homenagem e espero pelo menos que seja pedida a prisao de todos envolvidos para responder o processo presos, muita covardia o que fizeram com esse rapaz e com sua familia. Isso nao pode ficar impune.

Sitevip Internet