Olhar Jurídico

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Notícias / Ambiental

PGR pede arquivamento de inquérito contra Eliene Lima

De Brasília - Catarine Piccioni

09 Out 2013 - 08:37

Foto: Reprodução

PGR pede arquivamento de inquérito contra Eliene Lima
A Procuradoria-Geral da República (PGR) emitiu parecer solicitando o arquivamento de inquérito instaurado para apurar o envolvimento do deputado federal Eliene Lima (PSD-MT) com o esquema desbarato pela operação Jurupari, realizada pela Polícia Federal em 2010 em Mato Grosso.

No começo de junho último, a PGR pediu a instauração do inquérito para investigar Lima, apontando indícios de "envolvimento do deputado em fraudes na concessão de autorizações ambientais”.

No pedido, a PGR chegou a citar que o parlamentar tinha se unido a servidores públicos para obter licenciamento ambiental para plantação de uma espécie de eucalipto, "em desconformidade com a legislação".

Quando pediu o inquérito, a PGR afirmou ainda que o deputado usou seu "status político" para prejudicar a atuação dos órgãos ambientais. O parecer da PGR foi protocolado ontem.

Cármen Lúcia é designada relatora de ação penal contra Janete Riva

Com o parecer da PGR, a ministra Cármen Lúcia Rocha (relatora) deve arquivar o inquérito, que está no Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro mato-grossense Gilmar Mendes, do STF, chegou a assumir a relatoria do inquérito contra Lima, mas se declarou suspeito.

De acordo com o advogado Valber Melo, que defende Lima, a procuradoria entendeu que não há elementos contra o deputado.

Foro 

Os processos decorrentes da operação Jurupari tramitavam na Justiça Federal em Mato Grosso e foram encaminhados ao STF por determinação do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Provocado pela defesa de Janete Riva (secretária estadual de Cultura e mulher do deputado estadual José Riva), o TRF-1 entendeu que Eliene Lima, que desfruta de foro perante o STF, acabou sendo investigado indevidamente.

No final de 2012, a Justiça Federal aceitou duas denúncias da Jurupari e dividiu o caso em 133 ações penais. O TRF-1 entendeu que a Justiça Federal é incompetente para conduzir os processos e que cabe ao STF declarar a nulidade dos atos da operação.


Leia outras notícias no Olhar Jurídico


5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • João
    09 Out 2013 às 15:16

    Até que em fim a justiça começa a ser feita. Mas e agora quem vai reparar todos as injustiças cometidas contra as pessoas envolvidas injustamente nesta operação maluca. por causa e meia dúzia de malandros, centenas de pessoas tiveram seus nomes jogados na lama, e tudo com a participação da Injustiça Brasileira.

  • Leiitor
    09 Out 2013 às 15:12

    Decisão política. Se a PGR denunciasse o nobre DEPUTADO estaria admitindo que o juiz federal e o procurador da república de MATO GROSSO usurparam a competência do SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL e não teria como refutar os argumentos da defesa dos acusados, o que acarretaria a anulação de toda a operação JURUPARI. Se diz que não há nada contra o deputado, o processo volta a primeira instância e ninguém poderá alegar que houve nulidade, por violação à competência do STF. Ou seja, DEIXA DE PUNIR UM OU OUTRO PARA SALVAR A OPERAÇÃO MAL FEITA..... DOS MAUS OS MENORES, ESSA FOI A POLITICA DA PGR.

  • O POVO
    09 Out 2013 às 11:16

    A UNICA JUSTIÇA VAI SER O POVO QUE VAI FAZER NAS URNAS... MESMO QUE PAGUE MAS, NÃO VAI LEVAR OS VOTOS DO POVO NÃO..! VIVER E VERÁS..!

  • marcos dial
    09 Out 2013 às 10:28

    E assim caminha a humanidade! Inacreditável, "falta de elementos que comprova a participação do deputado". SOCORROOOOOOOOO!!!

  • deolho
    09 Out 2013 às 10:14

    No Brasil os rigores da justiça são só para os 3Ps mesmo,pobre,prostituta e preto,é muita desigualdade!

Sitevip Internet