Olhar Jurídico

Sexta-feira, 24 de maio de 2024

Notícias | Criminal

MEDIDAS CAUTELARES

Acusada de mandar matar o genro a tiros é liberada pela Justiça

Foto: Reprodução

Acusada de mandar matar o genro a tiros é liberada pela Justiça
A Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJMT) concedeu liberdade a Alzira Silvério Franceschini, suspeita de ter mandado matar o genro, Roberto Candido Mateus, de 42 anos, mediante recompensa de R$ 25 mil. Ele foi morto a tiros, em 2019, no município de Tabaporã (672 km de Cuiabá).


Leia também
Justiça recebe denúncia contra sogra que encomendou morte de genro


O julgamento foi realizado na última semana e presidido pelo desembargador Marcos Machado. Por unanimidade, foi concedido parcialmente a liberdade de Alzira.

Consta no documento que, além de ser réu primária e confessar ser mandante do crime, ela delatou os comparsas com o intuito de reforçar a colaboração com a justiça.

Apesar da concessão de liberdade, foi determinado as medidas cautelares para:
  • Declarar e comprovar o endereço onde poderá ser encontrada
  • Comparecimento mensal perante o Juízo, até o quinto dia útil, para informar e justificar suas atividades
  • Não se ausentar da Comarca, sem autorização judicial, comunicando à autoridade judiciária, imediatamente eventual mudança de endereço
  • Não se envolver em outro fato ilícito
Entenda o caso

Alzira Silverio Franceschini, Leticia Jheneffer Alves Freitas, Amilson Santos Pereira e Jader Hoffman Pereira foram denunciados por homicídio qualificado, mediante paga ou promessa de recompensa, por motivo torpe, com emprego de meio cruel e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima.

De acordo com a denúncia, o crime foi orquestrado por Alzira, que pagou R$ 25 mil em cheque a Leticia e Amilson para que encontrassem alguém para cometer o crime. 

Após descontar o cheque, Amilson teria contratado o primo Jader por R$ 15 mil para executar a vítima, recebendo R$ 5 mil adiantados e o restante após o crime. Na data do fatos, Jader supostamente dirigiu-se até uma estrada que dava acesso à fazenda em que Roberto Mateus trabalhava e, quando avistou o veículo da vítima se aproximando, fez sinal para que parasse.

Aproveitando-se do fato de que a vítima o conhecia, teria efetuado diversos disparos de arma de fogo em sua direção. A Polícia Militar recebeu denúncia anônima e, ao chegar no local, encontrou a vítima já sem vida. 

Segundo a promotora de Justiça Anízia Tojal Serra Dantas, o crime foi praticado mediante paga ou promessa de recompensa, por motivo torpe, uma vez que Alzira arquitetou a morte do genro motivada pelo desejo de que sua filha ficasse com a posse dos bens patrimoniais do ofendido após o divórcio do casal, com emprego de meio cruel, visto que a vítima foi atingida por reiterados disparos de arma de fogo, e mediante recurso que dificultou a defesa de Roberto Mateus, que foi pego de surpresa.

Foi apontado ainda que o crime teria sido ordenado porque "ele estava em processo de separação extremamente conturbado" com a filha de Alzira.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet