Olhar Jurídico

Sábado, 13 de julho de 2024

Notícias | Civil

ação do MPE

Juíza marca conciliação em ação contra a SmartFit por cobranças indevidas e negativa de cancelamento de contratos

Foto: Reprodução

Juíza marca conciliação em ação contra a SmartFit por cobranças indevidas e negativa de cancelamento de contratos
A juíza Celia Regina Vidotti, da Vara Especialização em Ações Coletivas de Cuiabá, marcou audiência para o dia 1º de junho em processo movido pelo Ministério Público de Mato Grosso (MPE) contra a rede de academias SmartFit. Ação trata sobre supostos obstáculos impostos pela empresa quando do pedido de cancelamento de contratos por parte de clientes.

 
Leia também
Contra pedidos da Prefeitura de Cuiabá e da AGU, voto de Toffoli mantém obras do BRT na capital

 
Ação Civil Pública foi proposta, segundo o MPE, em razão de diversas condutas abusivas e ilegais praticadas em detrimento dos consumidores, “notadamente, em relação à imposição de obstáculos ao cancelamento dos contratos, bem como a cobranças indevidas”.
 
O órgão relatou que foi instaurado inquérito civil para apurar a denúncia das práticas abusivas, sendo constatada a existência de diversos registros de reclamações dos consumidores, tanto no Procon, quanto no site Reclame Aqui.
 
O MPE ainda esclareceu que propôs a celebração de termo de ajustamento de conduta (TAC) com a empresa requerida. Entretanto, a SmartFit demonstrou desinteresse na solução consensual.
 
Assim, ressaltou que a conduta da requerida, ao dificultar a rescisão ou o cancelamento dos contratos, bem como ao efetuar cobranças indevidas, está infringindo várias disposições do Decreto n.º 7.962/13, que regulamentou o Código de Defesa do Consumidor, bem como está ocasionando lesão aos consumidores, fato que vem ocorrendo desde a pandemia Covid-19 e perdura até os dias atuais.
 
No processo, o MPE requereu a concessão de liminar para determinar: a) a criação de canal de atendimento online em sua página na internet para solicitação de cancelamento dos planos, no prazo de 10 dias, sob pena de multa diária de R$ 10 mil; b) que se abstenha de efetuar cobranças relativas a parcelas posteriores ao cancelamento do plano ou cujo pedido de cancelamento tenha sido pleiteado pelo consumidor por qualquer meio, sob pena de multa de R$ 1 mil por infração.
 
Analisando os autos, Vidotti salientou que, não obstante a relevância dos fundamentos e a verossimilhança das alegações, instruída com farta documentação, os fatos estão ocorrendo há mais de dois anos, “o que fragiliza o perigo de dano e a existência de lesão irreversível aos direitos, em tese, violados, requisitos essenciais para a concessão da tutela pretendida sem ouvir a parte contrária”.
 
Ainda segundo Vidotti, o objeto da ação se refere a direitos disponíveis que admitem composição. Assim, houve a decisão pela designação de audiência. “Designo a audiência de conciliação para o dia 01/06/2023, às 14h30min”.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet