Olhar Jurídico

Domingo, 05 de julho de 2020

Notícias / Geral

ABA realiza colóquio para falar sobre Direito Sistêmico e seus efeitos na resolução de conflitos

Da Redação - Vinicius Mendes

26 Jun 2020 - 11:02

Foto: Reprodução

A juíza Tatiane Colombo

A juíza Tatiane Colombo

A Associação Brasileira dos Advogados (ABA) em Cuiabá, em parceria com o Movimento Sistêmico, realizam no próximo dia 11 de julho o Colóquio sobre Direito Sistêmico e sua aplicação na área do Direito com ênfase na advocacia. O evento será totalmente on-line, gratuito e irá discutir, por exemplo, os efeitos desta aplicação na solução de conflitos.

Leia mais:
Empossada como diretora da ABA, advogada de Cuiabá busca fortalecer a integração entre os profissionais

O evento, que ocorrerá das 9h às 12h30 (horário de Brasília) do dia 11 de julho, contará com a presença do juiz Sami Storch, que implementou as constelações familiares, entre outros palestrantes como Mateus Santos, professor adjunto da Hellinger Schulle (onde surgiram as constelações), a professora Isabela Oliveira, que possui mestrado em psicologia sistêmica, a psicóloga Janine Ferro Lobo, o psicoterapeuta René Shubert, o formador e constelador Marco Almeida e a juíza Tatiane Colombo, da 2ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar contra Mulher de Cuiabá.

Segundo a juíza Tatiane Colombo, o objetivo é esclarecer o que é o Direito Sistêmico e as constelações familiares. Este método tem sido cada vez mais comum na resolução de conflitos judiciais.

"Direito Sistêmico tem a ver com as Constelações Familiares, cujo conceito veio de um alemão chamado Bert Hellinger, e através do juiz Sami Storch, da Bahia, foi aplicado na resolução de conflitos, com toda a estrutura de aplicação, quer dizer, aos advogados, Ministério Público, Poder Judiciário. Todo este relacionamento interpessoal entre todos aqueles que participam da resolução de conflitos é onde entra o Direito Sistêmico", disse a juíza.

De acordo com a magistrada ainda há muita falta de conhecimento sobre o que de fato são as constelações familiares. Ela explicou que o método existe para ajudar nas questões de relacionamentos humanos e na solução de conflitos.

"Quando se fala sobre constelação familiar, o que é o Direito Sistêmico, o que é constelação aplicada ao Direito, normalmente as pessoas acham que é algo ligado a religião, espíritos, algo neste sentido, mas na verdade nós trabalhamos com isso de uma outra forma, é mais uma formatação de uma possibilidade das pessoas lidarem com relacionamentos humanos, o que não tem nada a ver com religião", afirmou.

No Colóquio deve ser falado, entre outras coisas, sobre os três princípios básicos da constelação, que são o pertencimento, hierarquia e equilíbrio de dar e receber. De acordo com a juíza este métido ajuda as pessoas a encararem a vida e o trabalho de uma maneira mais leve.

"É como se fosse uma filosofia de vida, pela qual você trabalha com as pessoas com muito mais respeito. A Vara onde eu atuo é de violência doméstica, eu tenho 21 anos de trabalho, e sempre a sensação que eu tinha era de estar 'enxugando gelo', de nunca conseguir fazer o suficiente, então hoje eu trabalho muito mais focada, e trabalhar agora é muito mais leve. Algumas pessoas estigmatizam o trabalho, dependendo da área em que você está, mas quando você consegue enxergar isso de uma outra forma fica bem mais leve".

O evento é aberto a qualquer interessado, sem necessidade de inscrição. Para mais informações acesse o perfil da ABA Cuiabá no Instagram, do Movimento Sistêmico ou entre em contato pelo número (65) 99982-1801.


 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet