Olhar Jurídico

Terça-feira, 15 de outubro de 2019

Notícias / Civil

Ação pede fim de verba indenizatória de R$ 23 mil paga a conselheiros afastados do TCE

Da Redação - Arthur Santos da Silva

19 Set 2019 - 12:07

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ação pede fim de verba indenizatória de R$ 23 mil paga a conselheiros afastados do TCE
A juíza Celia Regina Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular, redistribuiu ação proposta por membros do Observatório Social de Mato Grosso contra cinco conselheiros afastados do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT). O processo pede que seja anulada decisão administrativa que concedeu o pagamento de verba indenizatória aos membros da corte.
 
Leia também 
Juíza liberta último dos doze presos na sexta fase da Operação Polygunum


São alvos José Carlos Novelli, Antônio Joaquim Moraes, Waldir Júlio Teis, Walter Albano da Silva e Sérgio Ricardo de Almeida, nomes envolvidos na Operação Malebolge, fase da Operação Ararath.
 
O ato administrativo impugnado, causador de dano ao erário, é a decisão do Pleno do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso que autorizou o pagamento de verba indenizatória relativa às atividades de Controle Externo no valor de até R$ 23,8 mil, correspondente a 67,32% do subsidio de cada membro do referido Tribunal.
 
No polo passivo da ação popular foram indicados os conselheiros do TCE por decisão judicial do Supremo Tribunal Federal (STF). Os conselheiros são acusados pela prática dos delitos de corrupção passiva, sonegação de renda, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Informações são oriundas do acordo de colaboração premiada do ex-secretário de Casa Civil, Pedro Nadaf, e do ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa.
 
Vidotti reconheceu semelhança com ação que tem como alvo os conselheiros Gonçalo Domingos de Campos Neto (presidente do órgão), Guilherme Maluf, Luiz Henrique Moraes de Lima, Isaías Lopes da Cunha, Jaqueline Jacobsen, João Batista de Camargo, Moisés Maciel e Ronaldo Ribeiro de Oliveira, bem como os procuradores do Ministério Público de Contas de Oliveira Alisson de Carvalho Alencar, Getúlio Velasco Moreira Filho, Gustavo Coelho Deschamps e William de Almeida Brito Júnior.
 
O processo deve ser redistribuído ao magistrado Bruno D’Oliveira Marques.

11 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ivana
    19 Set 2019 às 20:44

    São esses senhores que perseguem os médicos do Sus.

  • ademir
    19 Set 2019 às 14:29

    parabéns Dra tem que suspender já quantas pessoas nesse calor não tem um ar enquanto esses estão na mordomia???

  • marcelo augusto de oliveira cunha
    19 Set 2019 às 14:28

    OU SEJA. VAI DA NADA NÃO.

  • Kalil Ueda
    19 Set 2019 às 13:58

    Vc foi ludibriado. Bateu panela. Derrubou injustamente uma presidente. E esses conselheiros que estão afastados ainda recebem verba indenizatoria. Reforma da previdência é para isso Vc trabalha como escravo para sustentar esses privilégios.

  • Juliete UFMT
    19 Set 2019 às 13:38

    uma vergonha esse tce.... esse sergio ricardo entao , nem se fala.

  • paulo antonio de araujo costa
    19 Set 2019 às 13:35

    Isso não pode ser verdade, é mentira que esses safados recebem a VI, o Brasil, Mato Grosso, tá f....

  • rubens tadeu reynaud
    19 Set 2019 às 13:13

    distrui para ca redistrui para lae os conselheiros continuam racebendo. assim caminha a humanidade

  • Povo de Mato Grosso.
    19 Set 2019 às 13:05

    Isso tinha que ser automático. Uma verhonha ter que julgar o lógico.

  • AVANÇA MT
    19 Set 2019 às 12:49

    ESTÁ DE PARABENS O OBSERVATÓRIO SOCIAL DE MT QUE PROPÔS ESSA AÇÃO POPULAR , POIS O PRÓPRIO TJ-MT JÁ DEVERIA TER CORTADOS ESSAS VERBAS ABSURDAS, POIS O POBRE TRABALHADOR JÁ NÃO TEM NEM EMPREGO MAIS ,COMO BANCAR TANTO MARAJÁ ??

  • Moacir
    19 Set 2019 às 12:46

    Tem e que mandar devolver essas VI s, isso é um roubo descarado

Sitevip Internet