Olhar Jurídico

Domingo, 22 de setembro de 2019

Notícias / Civil

MPE investiga denúncia sobre servidora sem ensino fundamental suspeita de receber R$ 17 mil na AL

Da Redação - Arthur Santos da Silva

12 Set 2019 - 09:59

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

MPE investiga denúncia sobre servidora sem ensino fundamental suspeita de receber R$ 17 mil na AL
O promotor de Justiça Roberto Aparecido Turin, membro do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), instaurou inquérito para investigar irregularidades no enquadramento de uma servidora da Assembleia Legislativa (ALMT). Portaria é do dia três de setembro.

Leia também 
Janaina propõe reclamação contra juiz do TRE e pede suspensão de processo que pode gerar cassação

 
Conforme denúncia anônima, a servidora identificada como M.S.N. não completou o ensino fundamental. Porém, exerce cargo de técnico-legislativo, recebendo, segundo o inquérito, quantia próxima a R$ 17 mil.
 
O objetivo do inquérito é saber se a investigada realmente não completou os estudos básicos e se ocupa o cargo após passar por concurso público.
 
O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM), foi notificado para prestar informações sobre o caso. O MPE pediu envio cópia da ficha funcional e financeira e certificados de conclusão de cursos.
 
Turin explicou ainda que já solicitou as informações ao secretário de Gestão de Pessoas da Casa de Leis, mas não obteve resposta.

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • JS
    13 Set 2019 às 10:08

    Tudo é possível no serviço público de MT. Trabalhei mais de 35 anos nesse setor, e já vi coisas de arrepiar os cabelos do corpo.

  • Eleitor
    13 Set 2019 às 04:13

    QUERO PARABENIZAR AO MPE PELA INICIATIVA DA INVESTIGAÇÃO, MAS QUERO LEMBRAR AO MINISTERIO PUBLICO QUE NO EXECUTIVO ESTA CHEIO DE ESTABILIZADOS DENTRO DAS CARREIRAS E GANHANDO TODAS AS VANTAGENS DAQUELES QUE SÃO CONCURSADOS E O NOBRE PROMOTOR SABE QUE DENTRO DAS CARREIRAS SÓ PODEM ESTAREM AQUELES QUE FORAM APROVADOS EM CONCURSO PUBLICO E QUE FOI APROVADO EM ESTAGIO PROBATÓRIO. SENHOR PROMOTOR UMAS DAS RAZOES DA FOLHA DE PAGAMENTO EXECUTIVO ULTRAPASSAR A LRF É ESSA, PORQUE OS ESTABILIZADOS NÃO PODEM TER PROGRESSÃO DE CLASSE E NIVEL E NO EXECUTIVO OS ESTABILIZADOS TEM RECEBEM TODOS ESSES DIREITOS QUE É APENAS DOS SERVIDORES EFETIVOS(CONCURSADOS). EU PERGUNTO ATÉ QUANDO ESSA IRREGULARIDADE VAI CONTINUAR NO EXECUTIVO? COM A PALAVRA O MINISTÉRIO PUBLICO ESTADUAL.

  • Antonia
    12 Set 2019 às 18:17

    NAO É SOMENTE NA ALMT, NO TJMT TAMBÉM. TEM QUE ACABAR , CONTRATAR OS CONCURSADOS QUE MORREM DE TANTO ESTUDAR. DEPOIS FICAM SEM AS VAGAS PORQUE CONTRATARAM AS AMANTE.

  • Pagadora de Impostos
    12 Set 2019 às 15:28

    OS SALÁRIOS NA AL CASA DOS HORRORES, SÃO SEMPRE FORA DA REALIDADE MESMO , TEM QUE DIMINUIR METADE DOS DEPUTADOS E BAIXAR SEUS SALÁRIOS PELA MÉDIA NACIONAL , AS CAMPANHAS MILIONÁRIAS O TRE NÃO VÊ QUE DEPOIS VÃO PEGAR TUDO DE VOLTA EM DOBRO

  • Pedro
    12 Set 2019 às 15:23

    Farra do boi e nenhum compromisso em negociação com o governador sobre o RGA do funcionalismo público.

  • RSANTOS
    12 Set 2019 às 15:12

    Vai ver que ela tem outros atributos que valor valor recebido...

  • Glauber
    12 Set 2019 às 14:58

    Pois é, sou professor e tenho mestrado e doutorado. Ganho 4350 reais. Pelo visto quanto mais você estuda, mais desvalorizado você é.

  • Otaviano
    12 Set 2019 às 12:43

    E eu com mestrado ganhando 3.500,00.

  • alexandre
    12 Set 2019 às 10:33

    É a farra do boi, nível superior não ganha isso no estado.

Sitevip Internet