Olhar Jurídico

Domingo, 16 de junho de 2019

Notícias / Civil

TUT é condenada e deve fornecer prótese à vítima atropelada

Da Redação - Arthur Santos da Silva

26 Mai 2019 - 14:27

Foto: Reprodução

TUT é condenada e deve fornecer prótese à vítima atropelada
O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) manteve condenação de empresa TUT transportes e ordenou o fornecimento de prótese modular com joelho hidráulico e pé articulado para membro inferior esquerdo, conforme prescrição médica, à vítima de acidente de trânsito, que foi atropelada ainda criança por um ônibus da companhia e teve o membro inferior esquerdo amputado.
 
Leia também 
Juiz autoriza venda de sede da Dismafe por R$ 8 milhões para aliviar dívidas de R$ 39 milhões


A Justiça atacou pedido da vítima e determinou que a empresa fornecesse a prótese prescrita, registrando que o valor para a aquisição de R$ 39,6 mil deveria ser abatido do crédito de R$ 6,1 milhões, que faz jus devido a um acordo com a empresa, que entrou com recuperação judicial.
 
O juízo de primeiro grau entendeu que o direito da vítima ao recebimento da prótese e a obrigação da empresa recuperanda em custeá-la são indiscutíveis, matéria incontroversa, assim como não há dúvida acerca da urgência da medida. O rapaz que teve a perna amputada argumenta que a única empresa que fornece a prótese prescrita pelo médico apresentou orçamento em 20/02/2017, no valor de R$ 39,6 mil, e propôs que o custo seja deduzido do crédito a receber no curso da recuperação judicial.
 
Ao se manifestar, a empresa se compromete a continuar custeando a prótese, “no limite da razoabilidade”, mas questiona o valor do orçamento apresentado.
 
O administrador judicial manifesta-se pelo deferimento da medida de urgência, devendo a recuperanda entregar a prótese de acordo com a indicação médica. E o magistrado de primeiro grau acatou o pedido da vítima.
 
A empresa recorreu ao Tribunal alegando que a aprovação do plano de recuperação implica novação dos créditos anteriores ao pedido. Assim, extingue a dívida para que este débito seja incluído no plano judicial. Com o deferimento do pedido de recuperação e homologação do plano de recuperação, a dívida anterior é extinta e o débito será pago de acordo com a definição do que for homologado. Impedindo o abatimento do valor da prótese do crédito que tem direito.
 
De acordo com a relatora do processo, desembargadora Clarice Claudino da Silva, que compõe a Segunda Câmara de Direito Privado, a ação indenizatória tramitou em 1999 perante o 1º Juízo Especial Cível da Capital e determinou fornecimento de uma prótese As partes celebraram acordo em que a empresa assumiu indenização pecuniária e outras obrigações, dentre elas, o fornecimento de próteses para a vítima de acidente até completar 70 anos de idade. Entretanto, 20 anos depois a companhia não cumpriu pontos da composição. Nunca entregou prótese prescrita e nem mesmo fez o depósito do crédito indenizatório fixado em pecúnia mensal.
 
A magistrada lembra, que o acordo judicial fez lei entre as partes, tem valor de título judicial, de modo que não constitui matéria sujeita a ser discutida ou modificada pelo juiz a quo, e por isso a decisão recorrida merece reforma. Atualmente, devido ao tempo que a sentença transitou em julgado, sem que os depósitos fossem realizados, o crédito indenizatório chega ao montante de R$ 6,1 milhões, porém, o abatimento do valor da prótese representa efetiva lesão ao direito da vítima.
 
“Enfim, concluo que não há como privar o Agravante de receber o valor de seu crédito, oriundo de acordo judicial homologado, por constituir clara ofensa à coisa julgada formal e material”, diz trecho do voto da relatora. “Por isso, dou provimento ao recurso, reformo a parte da decisão recorrida que determinou o abatimento do valor da prótese no saldo credor do Agravante, e que está incluído no plano da recuperação judicial”, completa a magistrada.

(Com informações da assessoria)

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Realista.
    26 Mai 2019 às 23:35

    Oh meu Deus, o que é essa quantia de dinheiro para uma empresa há muito estabelecida e que parece ser bem próspera? Paguem, e deixem de ficar tomando o tempo da justiça com picuinhas. Os proprietários da empresa podiam fazer isso até como um ato de solidariedade a uma criança que ficou mutilada. Quanta ganância, meu Deus!

  • Michelle
    26 Mai 2019 às 21:01

    Assim gostaria que alguém me explicasse uma coisa acerca dessa recuperação judicial pois conheço vários funcionários que não recebem há meses isso mesmo há meses ,eles tem direito e vale faz a cada dois meses e um sacolão mensal e isso eles não recebem faz tempo . Eles se batem para conseguir 100 reais de vale KD o ministério do trabalho para ver a situação desses funcionários nos quais não são dispensados e estão passando por situações precárias nem décimo terceiro receberam alguém pode olhar para esses trabalhadores ????

Sitevip Internet