Olhar Jurídico

Domingo, 25 de agosto de 2019

Notícias / Civil

Juiz autoriza venda de sede da Dismafe por R$ 8 milhões para aliviar dívidas de R$ 39 milhões

Da Redação - Arthur Santos da Silva

24 Mai 2019 - 14:21

Foto: TJMT

Juiz autoriza venda de sede da Dismafe por R$ 8 milhões para aliviar dívidas de R$ 39 milhões
O juiz Claudio Zeni Guimarães, da Vara Especializada em Recuperação Judicial, autorizou a venda da sede do Grupo Dismafe, localizada em Cuiabá, por mais de R$ 8.603 milhões. O conglomerado passa por recuperação judicial em consequência de dívidas estimadas em R$ 39 milhões.
 
Leia também 
No semiaberto, Silval Barbosa tem 30 dias para dizer se quer reaver arma


O pedido de autorização foi embasado pelo argumento de que a alienação possibilitará a entrada de valores para atender o plano de recuperação judicial, além de reduzir os custos com energia elétrica, manutenção, limpeza e impostos.
 
O grupo argumentou ainda que os valores trarão um capital de giro de R$ 6 milhões e serão utilizados para recomposição do caixa e do estoque do setor varejista, como também novos empreendimentos e retomada de obras do setor de construção civil.
 
A venda foi realizada por meio de edital previamente publicado. Na audiência, foi aberto o envelope da proposta formulada pela empresa VIP Participações e Empreendimentos S/A, ofertando o valor de R$ 8.603 milhões. O Administrador Judicial opinou favoravelmente à realização da transação.
 
Em sua decisão, o magistrado concordou que a alienação possibilitará a entrada de valores para atender o plano de recuperação judicial, além de reduzir os custos com energia elétrica, manutenção, limpeza e impostos.
 
“Pelo exposto, Defiro a alienação da sede da empresa recuperanda em Cuiabá, localizada na Av. Fernando Correa da Costa, com área global de 4.030,25 metros quadrados”, decidiu o juiz Claudio Zeni Guimarães.

A recuperação
 
O juiz da Vara de Recuperação Judicial e Falência, Cláudio Roberto Zeni Guimarães, autorizou em março de 2018 a recuperação judical do grupo Dismafe, que acumula dívidas de R$ 39,885 milhões.
 
Formam o grupo nove empresas: Dismafe Distribuidora de Máquinas e Ferramentas S/A, Lumiral Comércio, Importação e Exportação S/A, Lumem Consultoria, Construções e Comércio Ltda., Equimaf S/A Equipamentos, Máquinas e Ferramentas, Tecnovia S/A Armazéns Gerais, Total Comércio e Representação S/A, Acquavix Ambiental Engenharia Ltda., Ventura S/A Participações e Investimentos e Agrupar S/A Participações e Investimentos.
 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Moacir
    26 Mai 2019 às 14:36

    Quando eu morava próximo ao local onde foi construída a Dismafe em meados da década de 80, segundo os próprios moradores do Boa Esperança, o terreno pertencia a Prefeitura de Cuiabá.

Sitevip Internet