Olhar Jurídico

Terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Notícias | Financeiro

Dívidas de R$ 184 milhões

Plano de recuperação judicial do Grupo Modelo é aprovado em assembleia

Foto: Reprodução

Plano de recuperação judicial do Grupo Modelo é aprovado em assembleia
Em assembleia geral realizada nesta sexta-feira (6) trabalhadores aprovaram por unanimidade o plano de recuperação do Grupo Modelo. O plano ainda teve aval positivo de 55 % dos credores quirografários e 45% contra. Deste total 354 credores foram a favor e 27 contra.

O grupo tem R$ 184 milhões de dívidas no mercado. O pedido de recuperação judicial do grupo foi deferido pelo Juiz Flavio Miraglia Fernandes em junho deste ano. Entre os credores trabalhistas foram negociados R$ 2 milhões.

Segundo o especialista em Recuperação Judicial, advogado Euclides Ribeiro Junior, a crise de liquidez que se instaurou no mercado financeiro a partir de 2008, fez com que os bancos parceiros da empresa reduzissem a exposição de crédito. Diante disso o grupo teve que recorrer à tomada de recursos em instituições com taxas de juros maiores e prazos mais curtos, o que provocou alto endividamento.

Leia mais
Rede Modelo consegue na Justiça liberação de R$ 643 mil que estavam bloqueados
Banco Safra arremata terreno do Modelo por R$ 18 milhões

O Grupo Modelo possui uma dívida total de R$ 184 milhões, sendo R$ 70 milhões somente com o banco Safra. O resto está dividido entre 1.035 credores e 2.200 funcionários. No pedido de recuperação judicial, a empresa afirma que busca recuperar economicamente o devedor, assegurando os meios indispensáveis para a manutenção da empresa e dos empregos gerados pela rede de supermercados.

O grupo ainda garante a viabilidade do negócio, afirmando que a operacionalização das atividades não pode se prejudicada por uma questão momentânea de iliquidez. Em 2012, parte das dívidas foram renegociadas - mas 40% do débito bancário - não pode ser renovada, ocasionando inadimplência com fornecedores, fato que colocou a rede de supermercados em um ciclo vicioso: com menos produtos ofertados no varejo, menor era a receita e mais difícil de se pagar as dívidas.

Leia outras notícias do Olhar Jurídico
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet