Olhar Jurídico

Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Notícias | Civil

quer suspender processo

Emanuel cita na Justiça pedido de Edna para sair de comissão processante: 'descumprimento das regras'

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Emanuel cita na Justiça pedido de Edna para sair de comissão processante: 'descumprimento das regras'
O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), voltou a se manifestar em mandado de segurança que pede suspensão de comissão processante da Câmara Municipal que pode gerar cassação. Dessa vez, como novo argumento, Pinheiro cita a vereadora Edna Sampaio (PT), que pediu para sair da comissão apontando a não observância à legislação vigente.


Leia também 
Blairo Maggi pede desbloqueio de fazenda ainda vinculada a processo sobre compra de vaga no TCE

 
“O descumprimento das regras previstas no Decreto-Lei nº 201/67, inclusive, foi expressamente admitido pela Vereadora Edna Sampaio em sua renúncia como membro da Comissão Processante”, diz trecho do documento anexado nesta terça-feira (14).
 
O vereador Eduardo Magalhães (Republicanos) já foi sorteado para substituir Edna após, por maioria, o plenário ter acatado o pedido dela de sair do colegiado. As vagas de presidente e relator do colegiado seguem ocupada, respectivamente, por Wilson Kero Kero (PMB) e Rogério Varanda (MDB).
 
Emanuel Pinheiro busca suspender comissão processante no parlamento que pode gerar cassação. Caso versa sobre infrações político-administrativa e se baseia em decisão que afastou Pinheiro por supostamente comandar organização criminosa na Secretaria Municipal de Saúde.
 
Conforme detalhado, em 19 de fevereiro de 2024, o Ministério Público propôs Medida Cautelar Criminal no Tribunal de Justiça (TJMT), tendo como relator o desembargador Luiz Ferreira da Silva, que concedeu a medida liminar afastando Emanuel do cargo de prefeito, além de impor outras medidas cautelares.
 
A medida liminar deferida pelo desembargador Luiz Ferreira da Silva foi suspensa pelo Superior Tribunal de Justiça, em decisão proferida pelo Ministro Ribeiro Dantas, em sede de Habeas Corpus.
 
Segundo o Ministério Público, Emanuel Pinheiro seria o chefe da organização criminosa que teria interferido em contratações da cidade de Cuiabá na área da saúde pública, inclusive durante a pandemia da Covid-19. O STJ, porém, decidiu que a Justiça Estadual não é competente para o julgamento de supostos crimes cometidos na gestão municipal de saúde na Prefeitura de Cuiabá, por envolver verbas federais.
 
Em paralelo ao caso na Justiça, o vereador Felipe Côrrea protocolou junto à Câmara Municipal de Cuiabá Requerimento de Representação para Instauração de Comissão de Investigação e Processante em desfavor do prefeito, apontando a existência de infração político-administrativa.
 
Porém, segundo Emanuel, na Ata da Reunião da Comissão Processante, que deliberou pela rejeição da defesa prévia e a prosseguimento da denúncia, “consta a irregular participação do Vereador Felipe Côrrea, autor da denúncia e legalmente impedido de participação dos atos processuais, com exceção das peças de denúncias”.
 
Ainda segundo Emanuel, a análise da defesa prévia apresentada é um ato exclusivo dos membros da Comissão Processante e que deve ser procedida sem a interferência e participação de pessoas que estão impedidas em participar.
 
Emanuel aponta ainda ausência de intimação do investigado para participação da reunião que deliberou a defesa prévia; denúncia aceita com apresentação de fatos exposto de forma genérica e sem provas capazes de propiciar o contraditório e a ampla defesa; diz também que o requerimento de instauração do processo foi feito sem constar da ordem do dia; instrução do processo antes de análise da defesa prévia; falta de parecer da Comissão de Constituição, Justiça e Redação; por último, competência de julgamento exclusiva do Poder Judiciário.
 
Após apresentar a série de argumentos, o prefeito pede que seja deferido o pedido de tutela de urgência/liminar, determinando a suspensão do caso. No mérito, Emanuel requer a confirmação da liminar, declarando a nulidade do Processo nº 5832/2024. Câmara Municipal Manifestação da Cãmara pede pela improcedência do mandado de segurança
 
Manifestação da Cãmara pede pela improcedência do mandado de segurança.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet