Olhar Jurídico

Quarta-feira, 19 de junho de 2024

Notícias | Civil

EMPRESA DE FACHADA

Juíza mantém ação contra Riva e Bosaipo por suposto desvio de R$ 1,2 milhão da ALMT

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Juíza mantém ação contra Riva e Bosaipo por suposto desvio de R$ 1,2 milhão da ALMT
Em decisão publicada no diário de Justiça desta terça-feira (12), a juíza Célia Regina Vidotti manteve ação que pede a condenação dos ex-deputados José Geraldo Riva e Humberto Melo Bosaipo, e dos ex-servidores Geraldo Lauro, José Quirino Pereira e Joel Quirino Pereira pela emissão de 23 cheques à empresa de fachada Sucupira Prestadora de Serviços Ltda, criada para camuflar desvios dos cofres da Assembleia Legislativa. Prejuízo é estimado em R$ 1,2 milhão.


Leia mais
Associação tentou barrar reintegração de posse em Cuiabá, mas ministra do STF negou pedido


Geraldo Lauro pediu reconhecimento da prescrição intercorrente da ação ajuizada pelo Ministério Público, no entanto, a magistrada negou o pedido. Geraldo atuava no setor de finanças da ALMT, entre 2000 e 2002.  

Célia Regina citou que entendimento fixado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o novo regime prescricional da lei de improbidade é irretroativo, e, por isso, não interferiria em ação que tramita desde 2006.

A juíza Célia Regina Vidotti também deixou de analisar a preliminar de ilegitimidade levantada pela defesa de Geraldo Lauro, "uma vez que a ação civil pública instaurou-se pela existência, em tese, de indícios do cometimento de atos de improbidade que causaram lesão ao erário por parte dos requeridos, razão pela qual a ilegitimidade não pode ser reconhecida preliminarmente, já que, ao fim é o que se quer verificar, com a presente ação, mediante a devida instrução".

A magistrada deu ainda 15 dias para que as partes indiquem as provas que pretendem produzir, justificando-as quanto à pertinência acerca do fato que se pretende provar, sob pena de indeferimento.

Processo trata de ação civil pública que o ministério público ajuizou contra eles visando o ressarcimento ao erário dos valores que foram, supostamente, surrupiados dos cofres da ALMT.

O MPE alegou que Riva e Bosaipo, na condição de gestores responsáveis pela administração da casa de leis, tiveram culpa pelos desvios na ordem de R$ 1.223.197,37 identificados por meio da emissão de cheques nominais à Sucupira, entre 2000 e 2002.

“Os requeridos Guilherme da Costa Garcia e Geraldo Lauro ocupavam, à época dos fatos, cargos nos setores de finanças, patrimônio e licitação da AL/MT, tendo agido em conluio e colaborado para a prática dos atos fraudulentos. Aduz que os requeridos Joel Quirino Pereira e José Quirino Pereira, embora não ocupassem cargo público à época dos fatos, teriam agido em concurso dos demais requeridos, sendo eles os responsáveis por montar e utilizar empresas inexistentes ou irregulares, como é o caso da empresa Sucupira”, diz trecho da decisão.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet