Olhar Jurídico

Segunda-feira, 15 de abril de 2024

Notícias | Geral

curso de medicina

Justiça determina que faculdade de SP reintegre jovem que matou Isabele com tiro na cabeça

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Justiça determina que faculdade de SP reintegre jovem que matou Isabele com tiro na cabeça
A Justiça Federal determinou que a Faculdade São Leopoldo Mandic, de São Paulo, reintegre a jovem que matou a amiga Isabele Guimarães, com tiro no rosto, em um condomínio de luxo em Cuiabá. A estudante cursa medicina. A decisão foi proferida na segunda-feira (26), pela 6ª Vara Federal de Campinas.

Leia também
Com dívidas de R$ 122 milhões, produtores rurais pedem recuperação judicial; juiz suspende execuções


A defesa da jovem ingressou com um mandado de segurança com pedido de retorno dela à faculdade, sem quaisquer prejuízos pelos dias que esteve ausente por “força do ato discriminatório”.

O advogado alega que a estudante recebeu uma notificação da faculdade para prestar esclarecimentos sobre o processo judicial que respondeu por causa da morte da amiga.

No entanto, cita que a menina foi expulsa do curso sem a abertura de procedimento administrativo que garantisse a ela o contraditório e ampla defesa.

A defesa relembra que a jovem foi condenada pela prática de ato infracional análogo ao crime de homicídio doloso e que, depois de cumprido mais de 1 ano e cinco meses de medidas socioeducativa, a Justiça de Mato Grosso deu provimento a uma apelação que concedeu liberdade.

A faculdade defendeu a decisão alegando que o cancelamento da matricula da jovem aconteceu devido omissão dela e de seus familiares em não informar o processo judicial que, segundo a instituição, criou enorme instabilidade no âmbito acadêmico.

Faculdade ainda destacou que a continuidade da jovem na instituição se mostra “incompatível” com o ambiente de ensino, com a dignidade acadêmica, com os princípios que regem a conduta do estudante de medicina e com o Código de ética do Conselho Federal de Medicina.

Ao proferir a decisão, o juiz destacou que determinou a retorno dela ao convívio social. Ele ainda ressaltou que os fatos ocorreram quando a jovem nem era aluna da instituição.

“Ante o exposto, defiro da liminar para determinar à autoridade impetrada que reintegre a impetrante no curso de medicina em que está matriculada, sem qualquer prejuízo acadêmico pelos dias em que não o pode frequentar em razão do ato impetrado”, diz trecho da ordem.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet