Olhar Jurídico

Domingo, 16 de junho de 2024

Notícias | Criminal

REGIME FECHADO

Membros do CV que mataram jovem após estupro de menor são condenados a mais de 58 anos de prisão

Foto: Reprodução

Membros do CV que mataram jovem após estupro de menor são condenados a mais de 58 anos de prisão
O Tribunal do Júri condenou Jorge Fernando Rodrigues de Lima e Bruno Roberto da Silva Martins a penas que, somadas, passam dos 58 anos de prisão, em regime inicialmente fechado. A juíza Mônica Perri, que preside o Júri, negou-lhes o direito de recorrer em liberdade e manteve as respectivas prisões. Eles foram responsáveis pela morte do jovem Felippe Fernandes Rodrigues da Silva, em setembro de 2021.

 
Leia mais
Membros do CV acusados de matar jovem após estupro de menor passam por júri popular

Felippe Fernandes da Silva foi morto durante um "salve" [sessão de espancamento] do Comando Vermelho, na região do bairro Pedra 90, em Cuiabá.

No dia da sua morte, ele fez um boletim de ocorrência relatando que uma adolescente de 16 anos, que o acusava de estupro, estaria ameaçando denunciá-lo para o "Tribunal do Crime", do Comando Vermelho (CV).

A polícia prendeu Jorge Fernando Rodrigues de Lima, acusado de ser uma das lideranças do Comando Vermelho no bairro Pedra 90 e Bruno Roberto da Silva Martins, ambos envolvidos no homicídio.
 
Felippe e um outro homem eram suspeitos de cometer um estupro contra uma adolescente de 16 anos. Ele chegou a ser preso, mas foi solto em audiência de custódia. O Poder Judiciário impôs medidas cautelares como uso de tornozeleira eletrônica ao acusado.
 
Quando ambos retornaram para a região do Pedra 90, começaram a circular, em grupos do WhatsApp, que integrantes do Comando Vermelho estariam atrás da dupla para aplicar um salve. Inclusive, as fotos dos rapazes estavam sendo compartilhadas.
 
O corpo de Fernando foi localizado na região do Cinturão Verde, no Pedra 90. “As lesões aparentes mostraram que o Fernando apanhou bastante durante o ‘salve’. Foram utilizadas ripas de madeira. Depois, ele foi executado com sete disparos de arma de fogo, calibre .40”.
 
Diante disso, o Conselho de Sentença condenou Jorge a 30 anos e nove meses de reclusão, e Bruno a 28 anos. A magistrada determinou o regime inicial fechado para cumprimento das penas e negou-lhes o direito de recorrer em liberdade. Ela ainda manteve as respectivas prisões considerando a periculosidade que eles representam à ordem pública.
 
“Como se vê, são réus que ostentam periculosidade concreta, cuja liberdade causa risco à ordem pública.  Logo, a manutenção no cárcere é a única forma de evitar a prática de novos delitos e acautelar o meio social, até porque, doravante estão condenados a penas elevadas que deverão ser cumpridas no regime inicialmente fechado, além das outras condenações acima descritas”, proferiu Mônica. Ela ratificou a sentença do júri popular em julgamento ocorrido no último dia 27.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet