Olhar Jurídico

Terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Notícias | Civil

PAGAR CREDORES

Em recuperação judicial, Grupo Redentor coloca fazenda em leilão por R$ 200 milhões

Foto: Reprodução

Em recuperação judicial, Grupo Redentor coloca fazenda em leilão por R$ 200 milhões
Localizada em Paranatinga, a fazenda Malp, propriedade do Grupo Redentor, será leiloada por R$ 200 milhões para quitar as dívidas de R$ 270 milhões contraídas. O imóvel rural de mais de 3 mil hectares foi ofertado para pagar os credores do grupo, que está em recuperação judicial desde março deste ano. O leilão será realizado pela Teza, para participar, clique aqui

Leia mais
Aprovado em Assembleia Geral de Credores aditivo à recuperação judicial de grupo com dívidas de R$ 212 milhões

 
Fazenda, denominada “MALP”, com as matrículas registradas no 1º Serviço de Registro de Imóveis, Títulos e Documentos da Comarca de Paranatinga/MT, localizada no Distrito de Santiago do Norte, Zona Rural no Município, tem áreas de 5.309,00 has, 1.050,00 has e 507,63 has, e, direitos sobre uma outra fazenda denominada Santo Antônio de Pádua, área usucapida. As áreas em conjunto totalizam aproximadamente 8.885,0000 há.

O Grupo Redenção, abrange curtumes e o frigorífico Redentor em Mato Grosso, além de contar com pelo menos uma pequena central hidrelétrica (PCH), e já passou por outro processo de recuperação judicial no ano de 2009. Na época, as dívidas acumuladas eram de R$ 106 milhões.

Segundo histórico apresentado no processo, no ano de 2009, após mais de 25 anos de atividades, o grupo acumulava um passivo elevado, gerado, em síntese, pela ausência de receita e fluxo de caixa suficiente, proveniente das altas dívidas a curto e médio prazo acumuladas, o que os levou a ingressar com um primeiro pedido de Recuperação Judicial.
 
Após o trâmite regular do processo de reestruturação, cumpridas todas as obrigações, prazos e determinações judiciais, a citada ação foi encerrada por decisão publicada em 18 de março de 2013.
 
Segundo os autos, o cenário favorável após o primeiro pedido de recuperação se alterou radicalmente no final de 2019, quando a China suspendeu temporariamente a importação de carne em razão da pandemia da Covid-19. Após a China, outros países da Europa, Ásia e Oriente Médio também diminuíram as importações de carnes em razão da pandemia.
 
Dentre os fatores que contribuíram para o alargamento da crise financeira pode-se elencar, ainda, a greve dos caminhoneiros ocorrida no País em maio de 2018, que projetou o cenário de crise vivenciada no segmento em 2019.
 
Diante de toda a situação, a disponibilidade de caixa do Grupo Redenção não é suficiente, segundo processo, para cumprir com todas as obrigações financeiras de curto prazo, submetendo as devedoras e seus ativos à uma situação de vulnerabilidade em virtude de um desordenado ajuizamento de execuções individuais e eventuais expropriações patrimoniais.
 
Em sua decisão, a magistrada responsável pelo caso identificou a regularidade do pedido. “Como se pode observar, todas as empresas que integram o polo ativo pertencem ao mesmo grupo de fato, com administração centralizada por dois dos sócios, Sr. José Almiro Bihl e Sr. Paulo Roberto Bihl (pai e filho), com provável relação de controle e dependência entre elas; podendo ser identificado ainda, a atuação em conjunta das devedoras”.
 
Ao deferir o pedido de recuperação, houve a nomeação da empresa AJ1 para realizar a administração judicial. Remuneração da Administração Judicial foi estabelecida em R$ 3,3 milhões, que corresponde a 1,6% do valor total dos créditos arrolados (R$ 212 milhões).
 
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet