Olhar Jurídico

Sexta-feira, 19 de abril de 2024

Notícias | Civil

DEFERIDA PELA JUSTIÇA

Fábrica de sorvete de VG entra em recuperação judicial por dívidas de R$ 3,2 milhões

Foto: Reprodução

Fábrica de sorvete de VG entra em recuperação judicial por dívidas de R$ 3,2 milhões
A fábrica Mila Sorvetes, situada em Várzea Grande, entrou em recuperação judicial por dívidas de R$ 3,2 milhões. Em decisão publicada nesta terça-feira (24), a juíza Anglizey Solivan de Oliveira deferiu o processo de reorganização da empresa, que alegou inconsistências na contabilidade para explicar os motivos que levaram à crise milionária.

Leia mais
Desembargador revoga prisão preventiva de ex-secretário acusado de liderar esquema que teria desviado milhões da Saúde de Sinop

Fundada em 2017 após os sócios comprarem uma pequena fábrica de sorvetes, a Mila iniciou sua produção em média escala para distribuição a sorveterias, supermercados, padarias e mercearias na região da baixada cuiabana.

Em 2018 foi o momento de crescimento da companhia, que começou a fornecer produtos para grandes redes de supermercados e atacadistas, aumentando sua produção.

No entanto, para expandir, contraiu dívidas com bancos. Queda no faturamento evitando o pagamento das dívidas com fornecedores e bancos também é citado no pedido.

Com a pandemia, a situação se agravou, em 2020, com o fechamento de restaurantes e a limitação no horário dos supermercados, o que resultou na redução de produção da fábrica. 

Faturando menos, a empresa teve que renegociar as dívidas que contraiu, além de que houve aumento no preço das matérias-primas e o acesso ao crédito reduziu. 

Diante do cenário de crise, a empresa buscou a Justiça para se reerguer, alegando que pode se recuperar com o apoio da medida. Afirmou que emprega 25 colaboradores. 

A juíza, então, se convenceu dos argumentos e deferiu o pedido de recuperação judicial e, com isso, a fábrica ficou “blindada” por 180 dias de ações de execução, ou seja, suspende-se nesse período a cobrança das dívidas. 

“Declaro suspensas, pelo prazo de 180 dias, as execuções promovidas contra a recuperanda, bem como o curso dos respectivos prazos prescricionais, permanecendo os respectivos autos, todavia, no Juízo onde se processam; cabendo à recuperanda a comunicação da referida suspensão aos Juízos competentes”, diz trecho do processo. 

A Mila Sorvetes tem agora 60 dias para apresentar seu plano de recuperação – ou a estratégia que deve adotar, como prazos e eventuais deságios, para o pagamento dos débitos com os credores. O plano deve contar com a aceitação dos trabalhadores, fornecedores, ou instituições financeiras que cobram suas dívidas. Caso não haja concordância uma assembleia de credores é convocada para definir os rumos do processo.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet