Olhar Jurídico

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Notícias / Civil

Estado terá 10 dias para apresentar ao MPE plano de obras para evitar intervenção federal

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira / Da Reportagem Local - Carlos Dorileo

10 Ago 2018 - 16:50

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Reunião de hoje

Reunião de hoje

Ministério Público Estadual (MPE) e Governo do Estado encerraram às 16h30 desta sexta-feira (10) a reunião à portas fechadas feita na sede do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) para evitar intervenção federal. A cerne da questão, cumprimento de decisões judiciais referentes à construção de unidades do Sistema Socioeducativo, restou sem conclusão na data de hoje.

Uma audiência foi agendada para o dia 20, ocasião em que o Executivo deverá apresentar proposta. Outras informações foram negadas pelos representantes da reunião, uma vez que a conciliação corre em segredo. 

Leia mais:
MP pede intervenção federal em Mato Grosso; TJ tenta conciliação com Executivo


"Hoje não foi possível concluir e não podemos avançar mais, até por força do dispositivo legal", explicou Paulo Prado, que destacou que eventual acordo depende exclusivamente do governo do Estado.

A desembargadora do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) Clarice Claudino, que conduziu a reunião de hoje, concedeu prazo de 10 dias para que o governador informe quando começará as obras de Cáceres, Tangará da Serra, Barra do Garças, Rondonópolis, Várzea Grande e Cuiabá.

"Essas ações estão há muitos anos rolando por aí, já transitou em julgado e chegou a hora", afirmou Prado. "É importante buscarmos um acordo, quando sai a licitação, quando começa a obra, para acabar com esse impasse", acrescentou.

O MPE alega que o governador do Estado Pedro Taques (PSDB) tem descumprido ordem judicial cujo processo transita em julgado nas comarcas de Cuiabá, Barra do Garças e Cáceres referentes à reforma ou construção de Centros Socioeducativos. 

O órgão ministerial tem movido reiteradas ações em prol das unidades socioeducativas, muitas delas frutíferas. No início deste ano, a juíza Gleide Bispo Santos, da 1ª Vara da Infância e Juventude, determinou o bloqueio de R$ 31,5 milhões do Tesouro Estadual para construção de unidades do Sistema Socioeducativo. 

A Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), insiste, por sua vez, que a decisão judicial leva em conta o cenário de 2011, antes mesmo da elaboração do Plano Decenal do Sistema Socioeducativo (2015-2024), que estabelece a necessidade de instalação de unidades e como se deve dar a construção desse processo.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ANA
    11 Ago 2018 às 08:25

    OS HOSPITAIS SEM REPASSE DEVIA TER INTERVENÇÃO NO GOVERNO TBM... DESCASO COM A POPULAÇÃO ESTE GOVERNADOR O PIOR Q JA TEVE.

  • Joao
    11 Ago 2018 às 07:58

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Ricardo Fortes
    11 Ago 2018 às 07:40

    E o dinheiro? Vem de onde? Do judiciário? Esses senhores do terno, decidem e pronto, está decidido. Só faltam revogar a lei da gravidade. Durante a administração passada não viram e nem ouviram nada, deviam estar hibernando.

  • Eleitor
    11 Ago 2018 às 05:19

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • joaoderondonopolis
    10 Ago 2018 às 18:24

    1 x 0 para o governador, Taques vai enrolar igual enrolou a Defensoria, mesmo com decisão do STF favorável a Defensoria, parece que até hoje não pagou e deve judicializar o assunto e vai enrolar até ano de 2019.

  • Dias
    10 Ago 2018 às 17:12

    Em 4 anos de gestão não conseguiram iniciar nenhuma obra de construção para o socioeducativo... Que gestores!

Sitevip Internet