Olhar Jurídico

Quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Notícias / Criminal

Desembargador nega pedido de revogação de prisão de Marcelo VIP

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

14 Set 2018 - 17:43

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Marcelo VIP na sede do GCCO

Marcelo VIP na sede do GCCO

O promotor de eventos Marcelo Nascimento da Rocha, conhecido nacionalmente como ‘Marcelo Vip’, por conta dos vários estelionatos praticados por ele, crimes que renderam filmes e publicação de livro, teve um pedido de revogação de sua prisão negado pelo desembargador Juvenal Pereira da Silva, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso nesta sexta-feira (14).

Leia também
Marcelo Vip é preso novamente durante operação do GCCO por fraude processual


Nascimento, que já foi preso e solto outras vezes, está detido desde o dia 31 de agosto por supostamente estar envolvido em uma quadrilha que cria mecanismos para fazer incidir em erro o juízo, mediante a apresentação de documentos falsos.

O empresário já havia sido detido no mês de abril deste ano na mesma operação, batizada de ‘Regressus’ deflagrada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

Operação Regressus

A investigação é coordenada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado e teve  a cooperação da Subsecretaria de Inteligência do Estado do Rio de Janeiro e a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).

De acordo com as informações levantadas nas investigações, um traficante do Rio de Janeiro e Marcelo VIP teriam conseguido diminuir pelo menos um ano de pena com informações falsas. Os mandados também são cumpridos em empresas, que teriam passado informações falsas ao Poder Judiciário.

A operação “Regressus” (retornar ao sistema) cumpre três mandados de prisão preventiva e 19 ordens de busca e apreensão nas cidades de Cuiabá, Várzea Grande, Rondonópolis e Rio de Janeiro. Os alvos com prisões expedidas pela Vara do Crime Organizado (7ª Vara) são os dois criminosos, ex-presidiários notoriamente conhecidos, com vasta condenação penal, que teriam por meios fraudulentos progredidos de regime. O terceiro é um ex-assessor da 2ª Vara Criminal de Cuiabá – Vara de Execuções Penais.
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet