Olhar Jurídico

Quarta-feira, 17 de agosto de 2022

Notícias

caso mensalão

Taques e Valtenir evitam se manifestar sobre Pedro Henry

Foto: Reprodução

Taques e Valtenir evitam se manifestar sobre Pedro Henry
Na véspera do início do julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), dois representantes da bancada mato-grossense no Congresso Nacional – os únicos sem pendengas judiciais, segundo levantamento da Transparência Brasil (ONG) – afirmam que estão acompanhando o caso, no entanto, evitam comentar sobre o envolvimento do deputado federal Pedro Henry (PP).

Para o ex-procurador da República, senador Pedro Taques (PDT), o envolvimento de Henry no escândalo não mancha a imagem da bancada mato-grossense. “Cada um responde pelos seus atos”, disse Taques, que deve se manifestar em sessão plenária nesta quarta-feira (1) contra a participação do ministro do STF, Dias Toffoli , no julgamento.

- Julgamento do mensalão terá cobertura ao vivo no Olhar Jurídico

-
Ex-senador Antero Paes de Barros teria recebido dinheiro do mensalão

- Agosto do 'cachorro louco': Mensalão e Pagot e Silval em CPI de Cachoeira

-
Gilmar Mendes nega recebimento de caixa dois e diz que denúncia é farsa

Já o ex-defensor público, deputado Valtenir Pereira (PSB), -- questionado pelo Olhar Direto/ Olhar Jurídico -, disse apenas que é importante que o STF cumpra seu dever constitucional de julgar autoridades que cometem deslizes e dê uma resposta para tranquilizar a sociedade.

Suspeito -- Conforme a legislação brasileira, um juiz deve se declarar suspeito para atuar em um caso se o réu for amigo. Antes de se tornar ministro, Toffoli era próximo de José Dirceu (ex-ministro-chefe da Casa Civil). Além disso, sua namorada, Roberta Rangel, foi advogada de outro réu no processo.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet