Olhar Jurídico

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Notícias

Defesa quer adiar julgamento à espera de aposentadoria

De Brasília - Vinícius Tavares

06 Ago 2012 - 13:48

Foto: Vinícius Tavares/OD

Defesa quer adiar julgamento à espera de aposentadoria
O julgamento do Mensalão entra a partir de hoje (6.8) em uma nova etapa, quando tem início a fase de defesa dos 36 acusados de participação no maior escândalo da história política brasileira. E os advogados dos réus já deixaram clara qual será a estratégia para tentar livrar seus clientes de uma eventual condenação. A intenção é tentar adiar o julgamento para depois do dis 3 setembro.

Acontece que nesta data o ministro Cesar Peluzo deverá se aposentar obrigatoriamente do Supremo Tribunal Federal (STF) por ter atingido os 70 anos, idade máxima para atuar na magistratura.

Procurador Roberto Gurgel pede prisão de 36 dos 38 réus do Mensalão

Advogados de réus do mensalão criticam sustentação oral de Gurgel

Neste caso, ao invés de 11 ministros, o STF teria apenas dez. E se houver empate em 5x5 entre os ministros, a defesa é que tem vantagem e os acusados ficariam livres de condenação.

"A estratégia dos advogados está traçada. Vão tentar de todas as formas adiar o andamento do julgamento, criar fatos novos e buscar prorrogar até dia 3 de setembro. Este é uma das formas para criar um ambiente favorável em caso de empate entre os ministros", avalia o advogado Adriano Borges, que sé um dos comentaristas ouvidos pelo Olhar Direto e pelo Olhar Jurídico para a cobertura do Mensalão.

A primeira mostra desta estratégia foi colocada em prática no primeiro dia do julgamento (2.8), quando uym questão de ordem colocada pelo advogado Márcio Thomaz Bastos tomou três horas de debates.

No dia seguinte (3.8), o advogado do empresário Marcos Valério pediu para que o tempo dedicado à defesa de seu cliente passasse de uma para duas horas. Mas o pedido foi indeferido pelo presidente do STF, ministro Carlos Ayres Brito.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet