Olhar Jurídico

Domingo, 21 de julho de 2024

Notícias | Criminal

lavagem e ocultação

Justiça não encontra ex-companheira de Nadaf flagrada pelo Coaf movimentando R$ 2 milhões

Justiça não encontra ex-companheira de Nadaf flagrada pelo Coaf movimentando R$ 2 milhões
O juiz João Filho de Almeida Portela, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, determinou a citação por edital de Narjara de Bairros, acusada pela suposta prática do delito de lavagem ou ocultação de bens. A ré foi inicialmente investigada em conjunto com o ex-secretário de Casa Civil, Pedro Nadaf.


Leia também 
Ação questiona leis que aumentaram subsídio de prefeito e secretários desrespeitando 'regra da anterioridade'

 
Segundo os autos, houve a tentativa de cinco citações. “Considerando que a acusada se encontra em local incerto e desconhecido, determina-se a sua citação por edital, com prazo de 15 (quinze) dias”, determinou o juiz.
 
Segundo a ação, inquérito inicial foi instaurado após notícias de que a denunciada estaria envolvida em fraudes de concessão de benefício fiscal, em suposto conluio com o ex-secretário.
 
Após manifestação ministerial, foi pugnado que as investigações fossem aditadas para a prática do crime de lavagem de dinheiro, tendo em vista que foram reveladas, pelo Conselho de Atividade Financeiras (COAF), em Relatório de Inteligência, movimentações financeiras atípicas nas contas bancárias de Narjara, bem como transações incompatíveis com sua renda, atividade e patrimônio.
 
Segundo relatório, “a denunciada foi identificada como Narjara de Bairros Nadaf, a qual manteve relações e foi casada à época dos fatos com Pedro Jamil Nadaf, então Secretario de Estado Chefe da Casa Civil”.
 
“Foi evidenciado nas investigações que, entre os anos de 2010 a 2015, onde houve o afastamento do sigilo bancário, a denunciada recebeu o montante de aproximadamente R$ 2,154 milhões, referentes a cheques recebidos, depósitos efetuados, transferências bancárias, entre outras transações que geraram entrada de capitais”.
 
Ainda segundo acusação, o crédito recebido por Narjara em suas contas bancárias durante os anos do afastamento do sigilo bancário superaram seis vezes o valor de proventos lícitos recebidos por ela no mesmo período, na importância de R$ 335 mil.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet