Olhar Jurídico

Domingo, 21 de julho de 2024

Notícias | Criminal

ex-genro da vítima

Homem que matou investigador da Polícia Civil a tiros é condenado a 41 anos de prisão

Foto: Reprodução

Derli José Alves foi assassinado por Hernandes Lima de Siqueira

Derli José Alves foi assassinado por Hernandes Lima de Siqueira

Hernandes Lima de Siqueira, 27 anos, foi condenado a 41 anos de prisão por ter assassinado o ex-sogro Derli José Alves, de 56 anos, investigador da Polícia Civil aposentado assassinado no mês de fevereiro do ano passado em Cuiabá.


Leia também:
Corpo de investigador aposentado morto pelo genro é encontrado perto da Estrada da Guia


A sessão do tribunal do júri foi realizada nesta segunda-feira (10), no Fórum de Cuiabá. Hernandes respondeu por oubo seguido de morte, homicídio tentado qualificado, ocultação de cadáver, porte ilegal de arma de fogo e apropriação indébita. A condenação soma penas impostas pelos crimes praticados contra o policial e contra sua esposa, vítima de tentativa de homicídio.

A pistola, que pertencia ao investigador aposentado e foi usada para matá-lo, tinha sido furtada meses antes pelo genro do policial. Já um revólver de calibre 38, que também era do policial, foi usado na tentativa de homicídio contra a companheira de Derli.

O crime

O investigador desapareceu noite do dia 21 de fevereiro da propriedade onde morava, no Parque Itaguaí, localizado na MT-251, na capital.

A Polícia Civil foi acionada, inicialmente, para atendimento a uma ocorrência envolvendo o furto de uma camionete Hilux, que pertencia ao policial. Um irmão da vítima informou à equipe da Delegacia de Homicídios da capital que foi avisado de que a cunhada dele tinha sido atingida por disparos de arma de fogo na chácara, socorrida e encaminhada ao hospital municipal.

Antes de ser socorrida, a mulher do investigador aposentado conseguiu enviar áudios a familiares contando que na terça-feira ela foi até um barracão da propriedade e viu o genro do policial lavando as mãos sujas de sangue. Quando perguntou sobre o que estava acontecendo, o homem fez disparos contra a mulher, a atingindo na cabeça, e ela desmaiou. Quando ela recobrou a consciência, o autor do crime havia fugido da chácara levando a caminhonete e pertences do policial.

O criminoso

Hernandes foi preso em flagrante depois de se apresentar na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Cuiabá dois dias após o desaparecimento do policial e indicou o local onde havia deixado o corpo da vítima.

O corpo de Derli foi localizado próximo à região do rodoanel, perto do Distrito do Sucuri. Também foram localizadas as armas utilizadas no homicídio da vítima.

Em interrogatório, o autor do crime declarou que foi ao sítio do sogro junto com um comparsa para ‘brigar’ com Derli devido a problemas anteriores e levou a pistola. Ele alegou que a arma pertencia à vítima, porém, teria sido extraviada meses atrás, em um acidente de carro. Na ocasião, o indiciado foi ao local do acidente e se apropriou do armamento.

Quando o criminoso chegou ao sítio, começou a discutir com a vítima, que teria sacado o revólver contra o genro. Nesse momento, o comparsa de Hernandes teria feito disparos contra a vítima usando a pistola.

O genro do policial alegou ainda que, após os disparos, ficou no sítio e o comparsa foi embora. Em seguida, a esposa de Derli foi até o barracão e acabou sendo atingida pelo indiciado. Na sequência, ele pôs o corpo do investigador na carroceria da caminhonete e seguiu sentido ao rodoanel de Cuiabá para ocultar o corpo. Depois, ele disse ter abandonado a caminhonete no bairro Osmar Cabral.

A DHPP fe diligências em um conjunto de quitinetes no bairro Parque Cuiabá, a fim de localizar o comparsa de Hernandes. No local, os policiais obtiveram informações de que o imóvel era, na verdade, ocupado pelos dois investigados, o genro do policial e o comparsa.

A investigação comprovou que houve o crime de latrocínio, uma vez que, após a execução da vítima e ocultação do corpo, a camionete foi deixada em um local de fácil localização e foi ‘esfriada’, a fim de ser vendida posteriormente.

As diligências para localização do corpo do policial contaram com apoio de equipes da Derf Cuiabá e Gerência de Polinter e Capturas. 

Derli José se aposentou da Polícia Civil de Mato Grosso em junho de 2010. A última lotação dele foi na antiga Delegacia do Carumbé, no bairro Planalto. (Com informações da assessoria).
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet