Olhar Jurídico

Domingo, 21 de julho de 2024

Notícias | Criminal

PRISÃO MANTIDA

Alexandre de Moraes mantém prisão de líder comunitário acusado de participar de atos antidemocráticos

Alexandre de Moraes mantém prisão de líder comunitário acusado de participar de atos antidemocráticos
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu manter a prisão preventiva do líder comunitário José Carlos da Silva, investigado por participação em atos antidemocráticos ocorridos em 8 de janeiro de 2023. A decisão foi proferida pelo ministro Alexandre de Moraes, que também negou o pedido de trancamento da ação penal solicitado pela defesa do réu.


Leia também
Dupla de trabalhadores do Maranhão é executada por motociclistas ao sair para comprar cerveja

José Carlos da Silva foi preso preventivamente em 23 de dezembro de 2023, após a Polícia Federal, representada pelo delegado Victor Emmanuel Brito Menezes, solicitar medidas cautelares que incluíam busca e apreensão, além do afastamento do sigilo bancário do investigado. A Procuradoria-Geral da República (PGR) apoiou os pedidos, que foram deferidos pelo STF em outubro de 2023.

Em fevereiro de 2024, a defesa de José Carlos entrou com um pedido de revogação da prisão preventiva e trancamento da ação penal, alegando condições de saúde incompatíveis com o sistema prisional. No entanto, após avaliação médica realizada a pedido do STF, concluiu-se que o tratamento necessário pode ser realizado enquanto o réu permanece preso.

A PGR se manifestou pela manutenção da prisão preventiva, destacando que o relatório médico não apontou a necessidade de liberar José Carlos para cuidados externos da unidade penitenciária e que a urgência da cirurgia indicada não impede sua permanência no Centro de Ressocialização Industrial Ahmenon Lemos Dantas, onde ele está detido. Além disso, a PGR ressaltou que o investigado havia deletado postagens nas redes sociais que registravam sua participação nos atos antidemocráticos, indicando uma tentativa de comprometer a coleta de provas.

O ministro Alexandre de Moraes, ao justificar a manutenção da prisão, citou o artigo 312 do Código de Processo Penal (CPP), que prevê a prisão preventiva para garantir a ordem pública, a ordem econômica, a conveniência da instrução criminal ou para assegurar a aplicação da lei penal. Moraes enfatizou que o quadro fático que motivou a prisão preventiva não se alterou e que os indícios de participação de José Carlos nos crimes permanecem.

"Além disso, em relação ao suposto agravamento do estado de saúde relatado, observa-se que o relatório médico apresentado não indica incompatibilidade do tratamento com sua manutenção no sistema prisional", diz trecho da decisão que a reportagem teve acesso.

A decisão também considerou a jurisprudência do STF, que autoriza a manutenção da prisão preventiva para acautelar a ordem pública e evitar a reiteração delituosa ou devido à gravidade concreta da conduta. Com base nesses fundamentos, o ministro decidiu pela continuidade da prisão preventiva de José Carlos da Silva, conforme o artigo 312 do Código de Processo Penal. A decisão foi publicada em 3 de junho.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet