Olhar Jurídico

Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Notícias | Civil

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

Concessionária que administra MT-130, Rota do Grãos entra na mira do MPE por 570 falhas na rodovia

Foto: Reprodução

Concessionária que administra MT-130, Rota do Grãos entra na mira do MPE por 570 falhas na rodovia
O Ministério Público do Estado ajuizou ação civil pública requerendo adoção de providências da Justiça para sanar falhas identificadas na rodovia MT-130, entre Paranatinga e Primavera do Leste. Segundo o órgão ministerial, a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (AGER-MT) identificou 570 inconformidades no serviço prestado pela Rota dos Grãos S.A., que administra o trecho desde 2021.


Leia mais: 
TRE reforça monitoramento contra participação de facções criminosas nas eleições; alvo da polícia estava com campanha avançada


Na ação, a promotora Caroline de Assis Silva Lins requer ao Poder Judiciário que estabeleça um prazo de 20 dias para que a concessionária realize levantamento técnico detalhado da situação da rodovia e indique, de forma precisa e minuciosa, todas as áreas de deterioração do asfalto. O estudo deverá conter todas as falhas estruturais, incluindo erosões, ondulações e desgastes asfálticos.

Solicita ainda que após o levantamento a empresa apresente o plano de recuperação e reforço da pavimentação da rodovia, contendo medidas técnicas efetivas e sustentáveis para a correção das falhas identificadas. Foi requerido a execução de reparos de forma que as soluções técnicas para a manutenção garantam a vida útil de serviço, superior a cinco anos, a contar da data da conclusão das respectivas obras.

De acordo com a promotora, a Ação Civil Pública é resultado de inquérito civil instaurado após denúncia efetuada pela 29ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Paranatinga, relatando a insatisfatória condição de trafegabilidade e a precariedade dos serviços prestados pela requerida na manutenção da MT-130, de Paranatinga a Primavera do Leste. 

Com extensão de 140,6 km e duas praças de pedágio ao custo de R$ 9,90 por veículo, o trecho apresenta ondulações, buracos, deformidades, acostamento deficiente, erosões e remendos superficiais que se desfazem no mesmo dia em que foram realizados, colocando em risco a segurança dos usuários.

Durante a investigação, segundo a promotora de Justiça, foi requerido à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) a realização de vistoria in loco com envio de relatório para constatação do estado de conservação. Na ocasião, a AGER-MT encaminhou ofício apontado aproximadamente 570 inconformidades. Diante dos fatos apurados e com o objetivo de evitar a judicialização do conflito, a Promotoria de Justiça encaminhou proposta de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) à concessionária e calculou o valor de R$500 mil à causa.

(Com assessoria)
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet