Olhar Jurídico

Sábado, 13 de julho de 2024

Notícias | Criminal

PRISÃO REVOGADA

Marido da fazendeira que matou dois em Peixoto de Azevedo é colocado em liberdade

Foto: Reprodução

Marido da fazendeira que matou dois em Peixoto de Azevedo é colocado em liberdade
A juíza Paula Tathiana Pinheiro concedeu liberdade provisória à Márcio Ferreira Gonçalves, preso de forma equivocada no caso do duplo homicídio praticado pela pecuarista e sua cônjuge, Inês Gemilaki, em Peixoto de Azevedo, no dia 21 de abril. Decisão é desta segunda-feira (6).


Leia mais 
Mãe e filho filmados matando idosos a tiros em casa são denunciados; MP pede indenização de R$ 1,8 milhão


Márcio teve a prisão decretada um dia após o crime, sendo identificado como um dos autores das execuções. Ocorre que ele foi detido incorretamente pela Polícia, pois a pessoa que apareceu nas imagens das câmeras de segurança no local dos fatos era, na verdade, o seu irmão Éder Gonçalves Rodrigues, que também foi preso.

A defensoria sustentou no pedido de revogação que não havia uma quarta pessoa envolvida no crime, segundo mostraram as filmagens, mas somente três: Inês Gemilaki, que matou a tiros Pilso Pereira da Cruz, 69 anos, e Rui Luiz Bogo, 81, seu filho, o médico Bruno Gemilaki e Éder Gonçalves Rodrigues.

Examinando o pedido, a magistrada não visualizou a presença dos indícios suficientes de que Márcio teria participado da empreitada e, por isso, revogou a prisão preventiva e lhe concedeu liberdade provisória.

No dia do crime, Inês e Bruno invadiram casa particular do garimpeiro Erneci Afonso Lavall, alvo da dupla, situada na rua Thiago Magalhães Nunes, nº 1403, bairro Alvorada. Segundo as investigações, Lavall entrou na mira de mãe e filho por ajuizar uma ação de cobrança contra Inês, que alugou e morou nessa residência, mas deixou dívida de R$ 59 mil e estragou a construção.

Acontecia uma confraternização na casa quando Inês e Bruno, com ajuda de  Éder, invadiram o local. Em posse de um revólver, Inês disparou e matou Pilson e Rui Luiz, por engano. Ela queria matar Erneci Afonso, que sobreviveu.  O padre José Roberto Domingos também foi atingido pelos disparos, mas não morreu.

As câmeras de segurança da residência flagraram toda a ação criminosa. Nas imagens é possível ver o trio chegando e já efetuando diversos tiros. Bruno portava uma espingarda calibre 12 enquanto sua mãe uma pistola.  Éder foi o “piloto de fuga” que auxiliou a dupla.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet