Olhar Jurídico

Quarta-feira, 17 de julho de 2024

Notícias | Criminal

DISCUSSÃO POLÍTICA

Petista que matou bolsonarista a tiros é condenado a 6 anos de prisão, mas vai recorrer em liberdade

Foto: Edino (a esquerda) e Valter ( a direita)

Petista que matou bolsonarista a tiros é condenado a 6 anos de prisão, mas vai recorrer em liberdade
O petista Edino de Abadia Borges foi condenado a seis anos de reclusão pela morte do bolsonarista Valter Fernando da Silva, de 36 anos. Ele vai recorrer em liberdade. A vítima foi morta a tiros em uma discussão política no mês de março de 2023, em Jaciara (121 km de Cuiabá).


Leia também
Dupla envolvida na morte de subtenente em distribuidora tem prisão mantida pela Justiça


O conselho de sentença reconheceu que Edino foi o responsável por efetuar os dois disparos que atingiram a vítima em um bar. Apesar de não optarem pela absolvição do réu, o conselho afastou a qualificadora do recurso que dificultou a defesa do ofendido.

Com isso, o juiz Ednei Ferreira dos Santos fixou a pena de seis anos de reclusão para Edino, com regime inicial semiaberto. Posteriormente, foi expedido um alvará de soltura.

"A culpabilidade do acusado é própria do tipo, nada tendo a valorar; quanto aos antecedentes, não há informação no processo quanto à existência de condenação judicial com trânsito em julgado em face do réu, portanto, não há o que se valorar; não há elementos concretos para um juízo de reprovação da conduta social do réu; quanto à personalidade, não existem indicativos de desvio de personalidade e não há nenhuma afinação especial entre o delito praticado com a personalidade da agente; os motivos, as circunstâncias e as consequências são próprias do tipo nada tendo a valorar; no que tange ao comportamento da vítima, verifica-se que a mesma não contribuiu para o crime", disse o magistrado.

Relembre o caso

O fato aconteceu no dia 19 de março de 2023, em um bar de Jaciara. Nas investigações, foi apontado que a briga entre os envolvidos foi motivada por uma desavença política. Valter era defensor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e Edino do atual presidente da República, Lula (PT).

Após a discussão, Edino agiu de forma dissimulada e convidou Valter para lhe acompanhar até a caminhonete. Quando a vítima se aproximou, Edino efetuou pelo menos dois tiros no homem e fugiu do local.

Uma equipe médica foi até o estabelecimento e constatou a morte.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet