Olhar Jurídico

Terça-feira, 05 de julho de 2022

Notícias | Ambiental

Meio Ambiente

Judiciário mantém embargo a garimpo de ouro sem licença ambiental em Cuiabá

Foto: Reprodução

Judiciário mantém embargo a garimpo de ouro sem licença ambiental em Cuiabá
A 2ª Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) manteve o embargo a um garimpo de ouro em Cuiabá, que estava operando sem licença ambiental. O local foi embargado pelo órgão ambiental e o proprietário identificado como Darcy Winter recorreu ao Poder Judiciário para anular o auto de infração.
 
Leia também 
Magistrada rejeita preliminares e mantém processo contra construtora Trimec que pede ressarcimento de R$ 2,1 milhões


Ao julgar a Ação Declaratória de Nulidade de Auto de Infração, o juiz da Vara Especializada do Meio Ambiente de Cuiabá entendeu que não houve cerceamento de defesa na fase administrativa, como alegado pelo autor, e manteve a validade das notificações administrativas.
 
Insatisfeito com a decisão de primeira instância o proprietário da área onde o garimpo funcionava protocolou recurso de Apelação junto ao Tribunal de Justiça, argumentando que a regularização da atividade garimpeira na área embargada se encontra pendente de prazo pela própria SEMA e que “vem tentando regularizar a propriedade junto ao CAR, tendo inclusive realizado a adesão ao Programa de Regularização Ambiental, de modo que resta pendente tão somente a sincronização do CAR com o sistema federal SINCAR.
 
Ao julgar o recurso de Apelação a 2ª Câmara de Direito Público Coletivo, relatada pelo desembargador Alexandre Elias Filho, negou o recurso por unanimidade.
 
“O agravante não apresentou nenhum documento ou elemento técnico capaz de afastar as conclusões obtidas pelo Auto de Infração e pelo Relatório de Constatação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), que, como se sabe, constitui ato administrativo revestido de atributos”, apontou o relator, acompanhado ainda pelos desembargadores Luiz Carlos da Costa, Maria Aparecida Ribeiro e Mario Kono.
 
Conclui que mesmo que o apelante tenha iniciado o processo de regularização de sua propriedade junto à Sema, isso não afasta as conclusões obtidas no Auto de Infração ambiental, tampouco demonstra a recuperação do meio ambiente degradado.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet