Olhar Jurídico

Terça-feira, 05 de julho de 2022

Notícias | Eleitoral

deputado federal

Cassado, Bezerra crê em perseguição: 'ainda estão tentando me ceifar, mas não vão conseguir'

21 Abr 2022 - 09:54

Da Redação - Arthur Santos da Silva/ Do Local - Érika Oliveira

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Cassado, Bezerra crê em perseguição: 'ainda estão tentando me ceifar, mas não vão conseguir'
O deputado federal Carlos Bezerra (MDB) acredita que processo no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) responsável por decretar cassação é pautado por perseguição política. “Depois de 50 anos de vida pública ainda estão tentando me ceifar, mas não vão conseguir”, salientou.

Leia também 
TJMT reduz fiança, fazendeiro acusado de matar onça paga R$ 166 mil e consegue liberdade

 
O TRE determinou no dia cinco de abril a cassação do parlamentar. Ministério Público comprovou gabinete paralelo montado durante o ano de 2018. Bezerra foi condenado por arrecadação e gastos ilícitos de recursos na campanha. Deputado federal já apresentou recurso de apelação contra decisão. Ele tem o direito de seguir no cargo.
 
“Isso foi uma brincadeira que fizeram comigo. Já sentei com os advogados, já entramos com o recurso e vamos ganhar. Estou tranquilo quanto a isso, o processo não tem fundamento. É uma verdadeira perseguição”.
 
Segundo o Ministério Público, na prestação de contas de Bezerra, foi declarado o total de recursos recebidos de R$ 1,883 milhão e despesas contratadas de R$ 1,791 milhão. De acordo com parecer técnico na Justiça Eleitoral de Mato Grosso, o representado apresentou a prestação de contas com graves infrações de arrecadação e gastos de recursos.
 
Entre as irregularidades, destacam-se o número de pessoas ligadas à campanha e não declaradas, veículos e abastecimentos não contabilizados, além da malversação de recursos públicos oriundos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC).
 
Bezerra, porém, insiste na tese de que sofre perseguição. “Foi a coisa que mais sofri em toda a minha vida, desde guri quando era líder estudantil, na ditadura, fui preso político, tudo pelo meu ideal. No Brasil, defender a justiça social não é fácil. Posso não agradar o tubaranato, depois de 50 anos de vida pública ainda estão tentando me ceifar, mas não vão conseguir”, finalizou.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet