Olhar Jurídico

Domingo, 05 de dezembro de 2021

Notícias | Criminal

pedido do PGJ

Supremo passa a investigar Medeiros por divulgação de informação sigilosa

Foto: Reprodução

Supremo passa a investigar Medeiros por divulgação de informação sigilosa
A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), reautuou petição do procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges, em face do deputado federal por Mato Grosso, José Medeiros, inicialmente acusado de propagação do fake news. Petição passou a tramitar como inquérito tendo como parte interessada o procurador-geral da República, Augusto Aras. O parlamentar agora é oficialmente investigado. Conforme apurado pelo Olhar Jurídico, Medeiros é alvo por vazamento de informação sigilosa. 

Leia também 
'O pano de fundo da ré Ledur era a instrução e não o sofrimento', diz sentença que não reconheceu tortura

 
O MPE emitiu nota em 11 de agosto afirmando que o deputado federal disseminou notícia falsa (fake news) para fazer crer que as urnas eletrônicas utilizadas pela Justiça Eleitoral brasileira não são seguras e confiáveis.

Na ocasião da nota, o órgão ministerial prometeu representar contra o deputado junto à Procuradoria-Geral da República (PGR) e à Comissão de Ética da Câmara dos Deputados, para a apuração dos fatos e a devida responsabilização criminal.
 
Segundo o MPE, Medeiros utilizou uma manifestação da instituição em procedimento investigatório relacionado a uma eleição realizada em dezembro de 2019 pela Associação Beneficente de Saúde dos Militares de Mato Grosso, Hospital Militar.

De acordo com os autos, que se encontram em segredo de justiça e que a pedido do MPE foram declinados da Justiça Militar para a Justiça Comum, foram feitas denúncias de que boletins de urna falsos teriam sido produzidos com o objetivo de fraudar o resultado da eleição da entidade. Os autos, porém, não levantaram qualquer suspeita de problemas no funcionamento da urna eletrônica cedida pela justiça eleitoral e utilizada no pleito.
 
“De má fé, o parlamentar mato-grossense falseia a realidade dos fatos, em mais um gesto da sua cruzada pelo retorno do voto impresso, sistema utilizado no passado com ocorrências frequentes de fraudes e manipulação de resultados, o que atentava contra a vontade soberana do eleitor brasileiro de escolher livremente seus representantes. E, mais grave ainda, utilizando criminosamente documento público do Ministério Público de Mato Grosso que trata de eleição de uma entidade associativa administradora de uma unidade hospitalar, deixando a entender que se tratava de uma eleição parlamentar ou para cargo executivo”, afirmou trecho da nota.
 
O inquérito no Supremo está em segredo de Justiça. Informação sobre o procedimento foi publicada no Diário de Justiça desta segunda-feira (27). O Olhar Jurídico não conseguiu contato com o procurador-geral de Justiça.
 
Outro lado

O deputado federal José Medeiros ainda não foi notificado sobre ação e a abertura do inquérito. No entanto, o parlamentar reafirma seu posicionamento de que as instituições, como o Ministério Público do Estado de Mato Grosso, estão sendo usadas por forças políticas, que estão preocupadas apenas com o processo eleitoral de 2022.  
 
O deputado federal lamenta a manobra política de taxar a verdade dos fatos de fake news na tentativa de enganar a população. Infelizmente, estão fazendo isso contra o presidente Jair Bolsonaro e seus aliados em todo o país.  
 
Apesar da visível perseguição e ataques que vem sofrendo desde que começou a denunciar as mazelas do governo Mauro Mendes, Medeiros garante que vai continuar defendendo os interesses da população mato-grossense e brasileira. 

Por fim, o  parlamentar reafirma sua confiança na Justiça e no processo democrático. 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet