Olhar Jurídico

Segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Notícias / Civil

preventiva

Juiz diz que crime chocou o país e mantém prisão de acusado de matar e arrancar coração da própria tia

Da Redação - Arthur Santos da Silva

27 Jul 2021 - 15:30

Foto: Reprodução

Juiz diz que crime chocou o país e mantém prisão de acusado de matar e arrancar coração da própria tia
O juiz Anderson Candiotto, da Segunda Vara Criminal de Sorriso, indeferiu pedido de relaxamento de prisão imposta em face de Lumar Costa da Silva, acusado de matar a própria tia, Maria Zelia da Silva Cosmos, retirando o coração da vítima.

Leia também 
MPT aciona Indea para obter informações sobre a quantidade comercializada de agrotóxicos

 
A defesa de Lumar requereu revogação da prisão por excesso de prazo. Conforme argumentado, a prisão preventiva é medida extrema que somente pode ser decretada se evidenciada sua rigorosa imprescindibilidade, lastreada em motivos concretos indicativos da necessidade da segregação.
 
“Deflui-se que não subsistem elementos de convicção que detenham a capacidade de demonstrar que os motivos, que lastrearam a decretação da prisão cautelar do acusado tenham sido superados por ulteriores modificações no contexto fático estabelecido”, decidiu o juiz.
 
“Ademais, malgrado a prisão do acusado tenha se efetivado na data de 03/07/20219, não podemos negar que se trata de caso emblemático que demanda um juízo de certeza quanto à imputabilidade do acusado, não sendo demais ressaltar que o crime em questão foi cometido com requintes de crueldade, vez que o acusado matou sua tia a senhora Maria Zélia da Silva Cosmos a facadas e após, arrancou seu coração e em seguida levou o coração de sua tia e entregou à sua prima (filha da vítima). O crime por sua barbaridade chocou não só a sociedade Sorrisense mais todo o país”, argumentou o juiz.
 
Candiatto salientou que “não há como deixar de considerar a periculosidade do acusado apenas por ele ‘supostamente’ sofrer de distúrbios mentais, pelo contrário, uma pessoa com perturbação psicológica, e que tenha condutas violentas, como a do caso dos autos, pode facilmente, vir a agredir e/ou matar outrem se não for devidamente tratado”.
 
“Ante o exposto, indefiro o pedido de relaxamento da prisão, formulado pelo réu Lumar Costa da Silva”, finalizou.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet