Olhar Jurídico

Quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Notícias / Criminal

Advogado que foi preso em flagrante por cobrança indevida paga R$ 4 mil de fiança e é solto

Da Redação - Isabela Mercuri

05 Dez 2020 - 15:38

Foto: Reprodução

Advogado que foi preso em flagrante por cobrança indevida paga R$ 4 mil de fiança e é solto
O advogado que foi preso na última quinta-feira (3) em Sorriso (420km de Cuiabá), após ter feito cobranças indevidas a uma cliente, foi solto neste sábado (5), após pagar uma fiança de R$ 4 mil. O valor foi determinado pela juíza da 1ª Vara Criminal de Sorriso, Emanuelle Chiaradia Navarro Mano.

Leia também:
Justiça Eleitoral multa Abílio e Wellaton em R$ 26 mil por propaganda irregular
 
Segundo informações do site JK Notícias, na sentença a juíza concede liberdade provisória mediante pagamento da fiança, e a inda determina que o advogado compareça a todos os atos do processo, comunique qualquer alteração de endereço e não se envolva em novos crimes.
 
O caso
 
Segundo informações da Polícia Civil, a vítima foi presa no dia 15 de novembro por embriaguez na direção e, após a detenção, entrou em contato com o advogado que foi até à Delegacia de Sorriso na manhã seguinte afirmando que a fiança para ser solta seria de R$1.045,00 e que que cobraria da vítima o valor de R$ 2 mil como honorários.

O delegado José Getúlio Daniel determinou diligências para apurar as informações passadas pela vítima. Ela relatou que na data de sua soltura (16/11), após procedimentos na delegacia e pagamento da fiança, o advogado lhe informou que teria pago R$ 2 mil reais ao delegado para modificar a tipificação do crime cometido pela vítima, para que ela não fosse enviada a uma unidade prisional e que a mesma deveria arcar com este valor.

Ainda conforme informações repassadas pela vítima, ela entregou ao suspeito o valor de R$245,00 em dinheiro e um cheque no valor de R$2.800,00 para o dia 30/11, que posteriormente foi quitado mediante depósito bancário em nome do advogado.

Mesmo após a quitação integral dos honorários advocatícios e da fiança, o advogado voltou a cobrar da vítima o valor de R$ 2 mil que teriam supostamente sido pagos na delegacia de polícia para não encaminhar a vítima a uma unidade prisional.

Diante da situação de flagrante delito, o delegado José Getúlio e a equipe de investigadores realizaram diligências no escritório de advocacia e conduziu o suspeito à unidade policial. Foi acionado o representante da OAB local. O advogado foi autuado em flagrante pelo crime de tráfico de influência.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet