Olhar Jurídico

Quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Notícias / Geral

Juiz acata liminar, proíbe Sindspen de bloquear ruas do CPA e PGE pede indenização de R$ 1,2 mi ao Estado

Da Redação - Isabela Mercuri

05 Dez 2020 - 09:36

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Juiz acata liminar, proíbe Sindspen de bloquear ruas do CPA e PGE pede indenização de R$ 1,2 mi ao Estado
Após os integrantes do Sindicato dos Servidores Penitenciários (Sindspen) bloquearem ruas no Centro Político Administrativo na última quarta-feira (2), o juiz da Vara em Ação Civil Pública e Popular, Bruno D’Oliveira Marques, acatou o pedido de liminar da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e proibiu novas manifestações como esta. A PGE  requereu também indenização de R$ 1,2 milhão por danos materiais ao Estado de R$ 100 mil por danos morais coletivos, o que ainda será julgado.

Leia também:
Justiça prorroga inquérito que investiga fraudes no Ganha Tempo e gerou bloqueio de R$ 6 milhões

A decisão foi proferida na sexta-feira (4) e determina, ainda, que o sindicato se abstenha de provocar paralisação parcial ou total dos serviços públicos, sob pena de multa de R$ 50 mil por hora em que perdurarem as ações consideradas abusivas pelo magistrado.

A manifestação da última quarta-feira (2) reuniu cerca de 500 membros do Sindspen. A Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) calculou prejuízo de R$ 1,2 milhão ao Estado por conta da ação dos sindicalistas.

O magistrado considerou a ação de bloqueio de vias públicas uma infração gravíssima, uma vez que “nenhum evento que importe em interrupção da livre circulação de veículos e pedestres poderá ser iniciado sem permissão prévia do órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre a via”.

“As ruas são bens públicos de uso comum do povo e, portanto, não podem ser utilizados por uma determinada classe de servidores em arrepio aos direitos da coletividade. Assim agindo, violaram não apenas o direito à liberdade de reuniões, mas também o direito à livre locomoção”, destacou Bruno Marques em sua decisão.

Ele ainda determinou que os sindicalistas voltem a exercer suas funções, já que os servidores iniciaram a chamada “greve branca”, ao não realizar as atividades essenciais em cadeias públicas e penitenciárias.

“Em relação aos agentes penitenciários, por exercerem atividades inerentes à segurança pública, de caráter manifestamente essencial, tem-se por ilegal e, até mesmo, inconstitucional qualquer movimento grevista”, apontou o juiz.

“O fato de ter ocorrido protestos, em todas as unidades penais do Estado evidencia a presença do perigo de dano irreparável, dado o caráter essencial do serviço desempenhado pelos agentes penitenciários, podendo a ineficiência do mesmo gerar, inclusive, risco à segurança pública, por dar margem à possibilidade de fuga de presos de alta periculosidade”, completou ele, na decisão. O mérito da ação ainda será julgado.

Manifestação

Os policiais penais se reuniram em frente ao Palácio Paiaguás na quarta-feira (2) e na Cadeia Pública na quinta-feira (3), em protesto para pedir aprovação da PEC 05 e valorização salarial.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet