Olhar Jurídico

Quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Notícias / Eleitoral

Justiça nega pedido de Miguel Vaz para impedir divulgação de R$ 7,5 mi em dívidas de gestão

Da Redação - Max Aguiar

16 Out 2020 - 15:10

Foto: Reprodução

Justiça nega pedido de Miguel Vaz para impedir divulgação de R$ 7,5 mi em dívidas de gestão
A Justiça Eleitoral de Lucas do Rio Verde julgou procedente informações divulgadas sobre dívidas da gestão passada do município, da qual, o atual candidato à prefeito Miguel Vaz era o vice. As denúncias são sobre o débito de R$ 7,5 milhões de reais deixados pela administração, além do cancelamento de todos os contratos, inclusive de médicos, em 31 de dezembro de 2016.

Leia também 
Frical afirma que pesquisa Gazeta Dados em VG induz eleitor ao erro e pede suspensão de divulgação


“A gestão que ora saía da Prefeitura (e que tinha Miguel Vaz como vice-prefeito), cancelou todos os contratos, inclusive de médicos, com o claro objetivo de prejudicar os trabalhos do prefeito recém-eleito naquele ano, Luiz Binotti. Hoje, querem esconder essa verdade da população, mas, a Justiça está aí pra ser feita e cumprida”, disse o diretor do Município, Zeca Picollo.

A coligação “Gente que Faz”, do candidato Miguel Vaz ajuizou pedido de resposta sobre os fatos citados à época em que era vice-prefeito e o juiz eleitoral Cristiano dos Santos Fialho, indeferiu o recurso por reconhecer a veracidade dos fatos apresentados. 

“Não enseja direito de resposta a crítica genérica, impessoal, dirigida ao modo de atuação de governante, na condução de política de privatização, que resulte de interpretação legítima dos fatos ocorridos à época ou de simples comentário de notícias divulgadas na imprensa. Pedido de resposta julgado improcedente”, traz trecho da decisão do magistrado, desta sexta-feira (16.10).

Entenda o caso

Conforme noticiado em 2016, por vários sites jornalísticos, o prefeito eleito Luiz Binotti iniciou seu mandato com uma dívida de R$ 7,5 milhões deixada pela gestão anterior. À época, os relatos mostravam que o déficit maior estava nos pagamentos das férias dos 776 servidores, que chegava a R$ 3,8 milhões. Outros R$ 3,7 milhões já estavam destinados à quitação de dívidas vinculadas a contas específicas, ou seja, não podendo ser utilizados para os pagamentos do débito com os servidores.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet