Olhar Jurídico

Domingo, 09 de agosto de 2020

Notícias / Criminal

Polícia não descarta homicídio culposo por parte de pai de adolescente do caso Alphaville

Da Redação - Vinicius Mendes

15 Jul 2020 - 14:05

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Polícia não descarta homicídio culposo por parte de pai de adolescente do caso Alphaville
O empresário Marcelo Martins Cestari ainda poderá responder pelo crime de homicídio culposo, após sua filha de 14 anos dispara acidentalmente e matar a amiga, Isabele Guimarães Ramos, 14, no último domingo (12). Apesar de no auto da prisão o crime não ter sido imputado (Marcelo foi preso por posse ilegal de arma de fogo), a defesa do empresário afirmou que o crime de homicídio culposo ainda não foi descartado, sendo que a responsabilidade deve ser apontada no fim da investigação.

Leia mais:
Advogado nega que adolescente tenha experiência com armas e diz que cena não foi alterada

Marcelo foi preso em flagrante no domingo (12) por posse ilegal de arma de fogo de uso permitido. Ele foi conduzido à DHPP e autuado pelo crime e depois de pagar a fiança de R$ 1 mil foi liberado.

O empresário e sua filha de 14 anos, que teria efetuado o disparo que matou Isabele, foram ouvidos na Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) na tarde desta terça-feira (14). Eles chegaram às 14h e saíram já às 21h.

De acordo com advogado Rodrigo Pouso, que patrocina a defesa da família, Marcelo e sua filha relataram a verdade dos fatos. Segundo eles o que ocorreu foi um acidente. A arma não possuía travas e caiu da case onde era transportada pela filha do suspeito. Ao pegar a arma no chão ela teria disparado e atingido Isabele.

"Não teve brincadeira nenhuma, não teve nada dessa história de manuseio de arma. A arma estava em um case. A casa dela é um sobrado, a arma estava embaixo e ela foi levar a arma para guardar no quarto do pai, e ela passou pela amiga dela antes e chamou, só que a case caiu  da mão dela e abriu, ela pegou a arma e se levantou, só que a arma disparou e a Isabele estava na frente, ninguém estava manuseando arma, apontando arma, isso não existiu", relatou o advogado.

No auto da prisão o delegado não imputou a Marcelo o crime de homicídio culposo (quando não há intenção de matar), apesar dele ser o responsável pela arma. O empresário foi preso apenas por posse ilegal de arma de fogo e foi solto após pagar fiança de R$ 1 mil.

A defesa, no entanto, esclareceu que o homicídio culposo não foi descartado. Ele explicou que a polícia ainda estã investigando o ocorrido, e os autores devem ser apontados e responsabilizados.

"Não é como estão pensando, a menina não vai ficar ilesa [...] não foi descartado [homicídio culposo], mas ainda está sendo investigado, quem poderá imputar o crime a ele é o delegado, então não é momento de apontar o que é e o que não é, a investigação deve demorar no mínimo uns 60 dias", disse.

 

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Cida souza
    28 Jul 2020 às 18:09

    Os responder por homicídio culposo desde que ele não tivesse colocado à família em curso de tiro e ter adquirido as armas e colocada nas mãos mãos dos menores e doutrinados ao desprezo da vida a homicida tem que responder por homicídio doloso e os pais culposo com dolo eventual. Isabele foi executada com um tiro em linha reta a menos de 30 cm a curta distância tentam por todos os meios desqualificar a intenção seja quem foi que atirou sabendo que ia matar e tento conhecimento do poder letal da arma então ficar falando em acidente e querer tapar o sol com peneira e amenizar o repúdio da sociedade me poupe executará sem chance para vítima.Isabele foi condenado a Morte e seus algozes os benefícios da lei a impunidade que nunca mais a família terá a sua companhia, encerrando naquele dia 12 o ponto final de única irmã, única neta, única sobrinha , única Filha.

  • Bento
    15 Jul 2020 às 15:53

    Rodrigo Pouso é um Advogado, nunca foi um Vidente. Trabalha tendo como base o que os clientes afirmam ter acontecido, como qualquer outro profissional da área.

  • Deovaldo
    15 Jul 2020 às 15:07

    O empresário Marcelo Martins Cestari ainda poderá responder pelo crime de homicídio culposo > Esclarecendo, não responderá pelo homicídio culposo uma vez que no Direito Penal o Crime é personalíssimo e não transfere a responsabilidade no cumprimento, mas o pai pode sim responder por omissão, negligencia e deverá ressarcir a família pela morte da menina. O direito de reparar será civilmente. A menina cumprirá medida socio educativa conforme o ECA. por ser menor de idade criança ou adolescente...

  • Sidnei
    15 Jul 2020 às 14:33

    Armas pra tiro esportivo não podem serem transportadas carregadas , só no local apropriado podem ser municiadas , como um atirados esportivo da uma arma municiada para um menor ter contato ? Isso foi um crime e a única vítima foi a que está morta

Sitevip Internet