Olhar Jurídico

Terça-feira, 04 de agosto de 2020

Notícias / Civil

Juiz extingue ação do MP que pediu proibição de manifestações e carreatas

Da Redação - Vinicius Mendes

10 Jul 2020 - 11:13

Foto: Olhar Direto

Juiz extingue ação do MP que pediu proibição de manifestações e carreatas
O juiz Bruno D'Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, julgou extinta uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público buscando a proibição de manifestações, passeatas ou carreatas em Cuiabá, que poderiam implicar em aglomeração. O magistrado citou que já houve deferimento parcial do pedido.

Leia mais:
Juíza libera carreata, impõe uso de máscara e autoriza PM a agir contra infratores; multa de R$ 500

Na ação o MP narrou que busca “um provimento jurisdicional que assegure o impedimento de aglomerações ilícitas de pessoas, em contrariedade as normas de saúde pública”, durante todo o período de duração da pandemia da Covid-19. 

"Requereu a antecipação dos efeitos da tutela pretendida, da obrigação de fazer consistente, a fim de vedar a realização de passeatas, manifestações e/ou carreatas que impliquem em indesejável aglomeração de pessoas", citou o magistrado.

O juiz explicou que a ação, a princípio, foi distribuída ao Juízo do Plantão Cível da Comarca de Várzea Grande, mas depois foi encaminhada para a Comarca da Capital.  Ele disse que o pedido de tutela de urgência restou parcialmente deferido pela decisão do plantonista.

A Justiça autorizou as carreatas, mas impôs diversas obrigações, como uso de máscaras durante todo o percurso e que as pessoas não saiam em hipótese alguma de seus veículos, sob pena de multa mínima de R$ 500 para cada ocupante do carro. A Polícia Militar foi autorizada a autuar quem descumprir as medidas.

Por erros técnicos o pedido acabou sendo registrado mais de uma vez e com base nisso o magistrado julgou extinto o processo.

"Como esclarecido pelo autor na manifestação de Id. 34210742, impropriedades de ordem técnica resultaram na abertura de um novo registro junto ao PJE, gerando duas demandas de idêntico teor, evidenciando­se, assim, causa litispendente".

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luciana
    10 Jul 2020 às 14:51

    Esses babacas quixotescos também desapareceram do mapa no Brasil inteiro e no futuro ninguém encontrará mais nenhum elemento dessa espécie grotesca e irresponsável!!Dinossauros...

Sitevip Internet